Author Archives: Mario Sérgio Cruz

Raio-X dos juvenis brasileiros nos Grand Slam em 2017
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 11, 2017 às 10:49 pm

O fim do US Open também representou o término da participação brasileira nas chaves juvenis de Grand Slam. Assim como feito no ano passado, o blog levantou todos os resultados dos jovens atletas nacionais nos quatro principais torneios da temporada e comparou com o desempenho mostrado em anos anteriores. Para os resultados do ano passado, clique aqui.

Foram apenas cinco vitórias brasileiras em chaves principais de simples, ainda assim três a mais que as do ano passado, mas os resultados positivos foram obtidos por só dois nomes: Thiago Wild venceu três jogos em Roland Garros e foi às quartas, enquanto Thaísa Pedretti avançou uma rodada em Paris e outra em Wimbledon.

Wild e Pedretti também estiveram em quadra nas únicas vitórias brasileiras em duplas, três para cada um. Ao todo, então, o Brasil acumulou apenas onze vitórias entre simples e duplas, nas chaves masculinas e femininas dos Grand Slam juvenis.

Quanto ao número de jogadores, houve mínimo aumento em relação ao ano passado nas chaves principais: Wild e Pedretti tiveram a companhia de João Lucas Reis, Gabriel Décamps e Matheus Pucinelli. No ano passado, foram quatro nomes, todos do masculino.

geral correto

Entre os quatro meninos que jogaram chaves principais de Grand Slam, apenas Décamps está no último ano de juvenil. O paulista que completou 18 anos em agosto segue para o circuito universitário americano e frequentará a University of Southern California (USC).

O Brasil tem hoje quatro juvenis entre os cem do mundo no masculino, sendo que Décamps não continuará no circuito na próxima temporada. Thiago Wild (17º do ranking) e Igor Gimenez (73º) vão para o último ano de juvenil. Já Matheus Pucinelli, que é nascido em 2001, tem mais duas temporadas.

Os três nomes conseguir vagas nos Grand Slam do ano que vem. Mateus Alves, João Lucas Reis e Gilbert Klier estão próximos do top 100 e precisam de bons resultados, em especial na Gira Sul-Americana do início do ano, para conseguir disputar os maiores torneios da temporada. Dos oito brasileiros entre os 250 do mundo e treze entre os 500, três estão no último ano como juvenil.

RANKING

Depois de um ano sem participação feminina, o Brasil voltou a ser representado este ano. Entretanto, apenas Thaísa Pedretti que está no último ano de juvenil pôde disputar os Grand Slam. A jogadora que completou 18 anos em maio treina no Instituto Tênis, em São Paulo, e deverá seguir para as competições profissionais no próximo ano.

Entretanto, é provável que o cenário de 2016 se repita na próxima temporada. Afinal, as três primeiras brasileiras no ranking completaram 18 anos em 2017. Além disso, somente oito brasileiras estão entre as 500 melhores da categoria. A mineira Marina Figueiredo, de 17 anos e que está atualmente no 189º lugar, é hoje a primeira colocada entre as atletas nacionais que seguirão no juvenil.ranking-feminino

ÚLTIMOS ANOS

AO

AUSTRALIAN OPEN – Assim como aconteceu na temporada passada, nenhum jogador brasileiro disputou o Grand Slam australiano. Além do fato de ser uma viagem cara e difícil de ser encaixada com uma série maior de torneios, houve este ano uma mudança com relação aos torneios da Gira Sul-Americana no saibro. Com a antecipação dos eventos, que antes aconteciam entre fevereiro e março, para os dois primeiros meses do ano, nenhum juvenil sul-americano foi para a Austrália este ano. O Brasil tem um título em 2010 com o alagoano Tiago Fernandes, que encerrou a carreira em 2014, aos 21 anos.

RG

ROLAND GARROS – Assim como em 2016, seis juvenis brasileiros estiveram em Paris. Mas se no ano passado houve quatro jogadores nas chaves principais, desta vez apenas Thiago Wild e Thaísa Pedretti conseguiram entrar diretamente.

Pelo terceiro ano seguido, o Rendez-Vous à Roland Garros levou jogadores nacionais à seletiva de Paris, mas diferente do que havia acontecido em 2015 com Gabriel Décamps e 2016 com Rafael Wagner, o mineiro João Ferreira e a paranaense Nathalia Gasparin não conseguiram passar pela fase final contra campeões da China, Coreia do Sul, Estados Unidos, Índia e Japão.

O paranaense Thiago Wild venceu três jogos e só caiu nas quartas de final contra o cabeça 1 sérvio Miomir Kecmanovic. A campanha de Wild foi a melhor do Brasil desde 2014, quando Orlando Luz foi semifinalista de simples, enquanto Marcelo Zormann chegou às quartas. Nas duplas, Thaísa Pedretti venceu dois jogos, ao lado da colombiana Maria Camila Osório Serrano e também fez quartas. Há três anos, Luisa Stefani foi semifinalista de duplas em Paris.

WIM
WIMBLEDON – Assim como aconteceu na temporada passada, o Brasil só teve uma vitória em simples no Grand Slam britânico. Em 2016, coube a Felipe Meligeni Alves avançar uma rodada, enquanto este ano Thaísa Pedretti venceu um jogo. No qualificatório, o pernambucano João Lucas Reis venceu dois jogos e entrou na chave.

O melhor resultado recente em simples foi de Beatriz Haddad Maia, hoje 70ª do ranking da WTA aos 21 anos. Em 2013, Bia esteve nas oitavas e só caiu para a croata Ana Konjuh, que chegou ao top 20 em julho e está no 40º lugar. Nas duplas, o Brasil comemorou o título em 2014 com a parceria de Orlando Luz e Marcelo Zormann.

USO

US OPEN – O Grand Slam americano foi o que contou com a maior participação brasileiras. Foram quatro nomes em chaves principais (três meninos e uma menina) e mais quatro no qualificatório (de novo, com três para uma).

Lembrando que uma das vagas na chave veio por Special Exempt, após Matheus Pucinelli, que disputaria o quali em Nova York, conseguir uma boa campanha no ITF G1 de Quebec na semana anterior ao ser finalista do forte torneio canadense.

O Brasil não teve bons resultados em simples, com eliminações na estreia de todos os representantes. No qualificatório, somente Igor o paulista Gimenez chegou a avançar uma rodada. O resultado mais expressivo veio nas duplas, com a semifinal de Thiago Wild ao lado do argentino Sebastian Baez.

Wild tentava colocar o Brasil na terceira final de US Open nos últimos quatro anos. Na última temporada, Felipe Meligeni Alves conquistou o título junto do boliviano Aguilar. Foi a primeira vez que um jogador brasileiro ganhou um título juvenil no Slam americano. Em 2014, João Menezes e Rafael Matos foram vice-campeões.

Keys se prepara para ser a próxima estrela
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 9, 2017 às 7:56 pm

Cada vez mais preparada para assumir o papel de próxima estrela do tênis feminino, Madison Keys disputa seu jogo mais importante neste sábado. Não haveria palco melhor para sua primeira final de Grand Slam que o Arthur Ashe Stadium, maior estádio do mundo e quadra principal do US Open. Ela decide o título em Nova York em uma final exclusivamente americana contra Sloane Stephens, uma de suas melhores amigas no circuito.

Keys fez cinco de seus seis jogos no caminho para a final em horário nobre

Keys fez cinco de seus seis jogos no caminho para a final em horário nobre

Em um ano atípico para o US Open por conta da ausência de Serena Williams, além de o fato de chave masculina não contar com três campeões recentes (Stan Wawrinka, Novak Djokovic e Andy Murray), a organização do torneio teve que se desdobrar para encaixar nomes atrativos nas principais sessões para o público e televisão. Na maioria das vezes, Keys acabou sendo a escolhida como o carro-chefe na chave feminina, mesmo com várias americanas se destacando e colocando quatro nomes nas semifinais.

De seus seis jogos disputados até a semifinal, cinco foram na sessão noturna do Arthur Ashe Stadium: A estreia diante da belga Elise Mertens, a terceira fase contra Elena Vesnina, as oitavas diante de Elina Svitolina, as quartas contra Kaia Kanepi, além da semifinal americana contra CoCo Vandeweghe. Somente a segunda rodada conta Tatjana Maria foi no Louis Armstrong Stadium.

Keys jogou no horário nobre até mesmo no dia em que a também americana Vandeweghe desafiava a número 1 do mundo Karolina Pliskova pelas quartas de final. Também teve a preferência no segundo dia do torneio em relação à atual campeã Angelique Kerber, que acabaria perdendo na estreia. Quem esteve presente no estádio relata que, durante a entrada das jogadoras em quadra, seu nome era anunciado como “The future of American Tennis”.

Ao longo de duas semanas, a esperança americana atuou diante dos holofotes e só não era favorita quando desafiou Svitolina. Ela sempre contou com o apoio do público mesmo quando seu jogo contra Elena Vesnina terminou à 1h45 da manhã (horário local), ficando a apenas três minutos do jogo feminino que terminou mais tarde pelo US Open.

“O público é incrível, porque não importa o que aconteça, elas ainda estão torcendo por você. Não importava qual era o placar, eles definitivamente estavam comigo e me ajudaram você a aumentar meu nível”, disse em entrevista coletiva depois de ter vencido Svitolina de virada, em outro que também acabou muito tarde.

“É um pouco insano. Ir dormir às 4 da manhã todas as noites e acordar às 11, não é totalmente natural e normal. Mas agora eu tenho um pouco de medo de jogar no sol, porque eu não fiz isso em duas semanas. Mas estou bem em jogar de noite”, explicou a americana de 22 anos, que é a mais jovem jogadora de seu país numa final desde 2003, quando Serena Williams decidiu Wimbledon aos 21.

Primeira vitória de Keys em um Grand Slam foi em 2011, quando tinha apenas 16 anos

Primeira vitória de Keys em um Grand Slam foi em 2011, quando tinha apenas 16 anos

Keys tem uma carreira precoce, tanto que parou de jogar torneios juvenis com 16 anos recém-completados em 2011. Naquela temporada, ela já havia vencido um jogo na chave principal do US Open, depois de ter recebido um convite. Filha de um casal de avogados, Rick and Christine, ela teve condições de sair muito cedo de Rock Island, no estado de Illinois para ir treinar na Flórida

“Meus pais me mudaram das Quad Cities quando eu tinha 10 anos porque eu tinha manifestado interesse em me tornar um jogadora profissional de tênis. Eles sabiam que não conseguiria fazer isso lá. Felizmente, isso funcionou. Sempre foi um sonho meu. Eu nunca quis jogar tênis universitário ou algo assim. Mudei-me para a Flórida e fiz tudo o que pude para chegar a esse nível”, comentou após a estreia no US Open.

Mas como tem duas irmãs mais novas, chamadas Sydney, Montana e Hunter, Keys sempre teve que ser modelo para todas elas e amadureceu muito cedo. Assumindo o papel protetor de irmã mais velha e decidiu expandir suas ações. Ela é uma das jogadoras mais combativas quanto às denúncias de racismo e assédio virtual dentro do circuito e, desde o ano passado, é embaixadora da organização Fearlessly Girl, que visa desenvolver lideranças jovens entre as meninas em suas escolas e comunidades, realizando palestras e rodas de debates em colégios americanos. “Vou às escolas e converso com as adolescentes sobre o mundo delas e os problemas que elas enfrentam”, disse em entrevista ao Tennis Channel.

Como falei num post de abril, o engajamento de Keys junto às adolescentes e seus comentários pertinentes sobre temas como bullying, assédio virtual e racismo podem fazer dela uma atleta extremamente representativa para para uma comunidade, tal como as irmãs Williams foram e são até hoje para as mulheres negras americanas, e ser a próxima atleta a transcender o esporte. Um eventual título do US Open potencializa tudo isso.

Dentro de quadra, Keys trabalhou com diversos técnicos sem nunca ter mudado o jeito de jogar. Assim, um processo que para a maioria das pessoas é caótico, não afetou sua evolução no circuito. Formada pela academia de Chris Evert, na Flórida, Keys trabalhou anteriormente com dois técnicos da USTA Juan Todero e Jay Gooding.

A americana passou a temporada de 2015 ao lado da ex-número 1 do mundo Lindsay Davenport, com quem saltou do 31º para o 18º lugar, e chegou ao top 10 no ano passado sob comando do renomado sueco Thomas Hogstedt, depois de também ter tido breves colaborações do recém-aposentado Jesse Levine e do sueco Mats Wilander. Na atual temporada, ela voltou a treinar com Davenport e explica que a relação de proximidade é muito diferente das demais.

“A melhor coisa com Lindsay é que ela sempre me ajudou nos grandes momentos apenas, porque ela esteve nessas situações e as entende. Então ter sua perspectiva no que ela fez para lidar com essas situações foi realmente benéfico para mim”, falou após a vitória sobre Tatjana Maria pela segunda rodada.

“Acho que estamos extremamente próximas e é provavelmente o mais próximo que já estive com um treinador. Eu realmente amo o simples fato de estar ao seu redor”, acrescentou também após seu segundo jogo no torneio.  “Dentro de quadra, ela sempre me disse para fazer meu jogo e tomar a iniciativa dos pontos, porque é assim que eu vou ganhar. Essa foi a sua maior mensagem, especialmente com os saques. Tenho que ser uma grande sacadora, acreditar nos meus saques e jogar confiante. Acho que ter essa mentalidade em quadra me ajuda em todos os aspectos”.

Caso conquiste o US Open, Keys voltará ao top 10 e coroa a grande recuperação que teve na temporada. Depois de ter terminado o ano passado na oitava posição, a americana precisou operar o punho esquerdo e não jogou o Australian Open e chegou a fazer uma segunda cirurgia depois de Roland Garros para jogar sem dor. Em seus últimos treze jogos, foram doze vitórias, incluindo o título de Stanford e sua única derrota foi para Garbiñe Muguruza no tiebreak do terceiro set em Cincinnati.

Vai ser interessante ver o ambiente da primeira final entre duas americanas desde o duelo entre as irmãs Venus e Serena Williams em 2002. Novamente, será uma final entre duas mulheres negras, o que é extremamente representativo diante de tantas portas abertas pelas Williams nos últimos vinte anos. Que seja um grande jogo.

Stephens e o Brasil – Demos ontem no TenisBrasil uma matéria sobre a curiosa relação de Sloane Stephens com o Brasil. Afinal, seus primeiros pontos no ranking foram conquistados nas cidades paulistas de Itu e Serra Negra. Vale a pena ler e conferir também sua história de superação ao longo da temporada.

A festa dos coadjuvantes
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 4, 2017 às 5:06 am

Há uma semana, falávamos sobre a busca de Alexander Zverev pelo papel de protagonista neste US Open, especialmente após os grandes resultados nos torneios preparatórios e diante de uma chave que oferecia a possibilidade de obter seu primeiro resultado expressivo em Grand Slam. Como todos vimos, Zverev não cumpriu as expectativas e se se despediu precocemente ainda na segunda rodada. Mas se o alemão não conseguiu seu papel principal, outros jovens coadjuvantes roubaram a cena e brilharam durante a primeira semana do Grand Slam americano.

O primeiro jovem a se destacar foi Borna Coric, que foi o próprio algoz de Zverev na segunda fase. O duelo da nova geração na quadra Grandstand foi um dos melhores da chave masculina até aqui e teve uma atuação de gala do croata, que rivaliza com o alemão desde os tempos de juvenil e já venceu os dois encontros entre eles na elite do circuito.

Tal como Zverev, ainda falta a Coric um grande resultado em Slam, já que ele jamais passou da terceira rodada, mas é inegável que o ex-número 33 e atual 61º do ranking já poderia ter ido muito mais longe se não fosse a lesão e cirurgia no joelho direito, realizada em setembro do ano passado. Suas seis vitórias contra top 10, sendo três delas este ano e o título do ATP de Casablanca, dão indício de que o croata de 20 anos pode e merece alçar voos mais altos.

Kasatkina venceu o duelo da nova geração contra Ostapenko

Kasatkina venceu o duelo da nova geração contra Ostapenko

Em um cenário muito parecido, Daria Kasatkina eliminou Jelena Ostapenko pela terceira rodada da chave feminina e já está nas oitavas de final. Este é o melhor resultado em Grand Slam para a russa de 20 anos e 36ª do ranking, que já chegou a ocupar o 24º lugar. Adversária da veterana Kaia Kanepi nas oitavas, Kasatkina é uma das poucas atletas restantes na chave feminina, que aposta muito mais no jogo sólido do fundo de quadra em vez de bolas mais pesadas e agressivas.

A vitória sobre Ostapenko, atual campeã de Roland Garros, reedita o resultado do último duelo anterior entre elas. As duas jogadoras nascidas em 1997 já haviam se enfrentado na final de Charleston, em abril, quando Kasatkina conquistou seu primeiro título da carreira. Na época, a russa dava sinais de evoluiria mais rápido diante de uma letã que arriscava tudo. Mas a ajuda da veterana Anabel Medina Garrigues, Ostapenko aprendeu a trabalhar melhor os pontos e se desenvolveu no piso em que tinha mais dificuldade para conquistar o Grand Slam parisiense.

 

Denis Shapovalov foi outro que brilhou durante o Grand Slam americano, com direito a mais uma expressiva vitória em sua carreira, ao eliminar o experiente francês Jo-Wilfried Tsonga numa sessão noturna do Arthur Ashe Stadium. A queda precoce de Zverev, aliás, foi um dos fatores que levou a organização do torneio marcar três jogos seguidos do carismático canadense no estádio principal.

A experiência de disputar as partidas contra Kyle Edmund e Pablo Carreño Busta foi engrandecedora para o canhoto de 18 anos que, se ainda não pode ser consider favorito em nenhum desses jogos, pôde entrar numa quadra grande com uma perspectiva diferente daquela de franco-atirador contra um grande nome. Nesses dois jogos e até mesmo diante do cabeça 8 francês, Shapovalov era a atração principal e a razão para que aquelas partidas fossem disputadas no Ashe (basta a diferença na reação do público no vídeo acima). Isso algo que ele precisa se acostumar nesse processo para se tornar uma nova estrela.

Osaka voltou ao Ashe um ano depois de frustrante derrota para Keys

Osaka voltou ao Ashe um ano depois de frustrante derrota para Keys

Outra coadjuvante a aprontar no Ashe foi a japonesa de 19 anos Naomi Osaka, que despachou a atual campeã Angelique Kerber. A vitória por 6/3 e 6/1 diante da canhota alemã foi a primeira de Osaka contra uma top 10 e marcou sua volta à maior quadra de tênis do mundo, um ano depois de ter sofrido uma incrível virada contra Madison Keys pela terceira rodada do Slam americano. Havia possibilidade de um duelo de jovens contra Kasatkina, mas a japonesa caiu para Kanepi no último sábado.
Já o russo Andrey Rublev segue vivo na chave e tenta se tornar o mais jovem jogador nas quartas do US Open desde Andy Roddick em 2001. Para isso, precisa vencer David Goffin nesta segunda-feira. O tenista de 19 anos só tinha duas vitórias em chaves principais de Slam antes de chegar a Nova York, onde já obteve três triunfos. Ele também nunca havia derrotado um top 10 em três tentativas e foi superar logo o nono colocado e cabeça 7 búlgaro Grigor Dimitrov, vindo de título do Masters 1000 de Cincinnati.

O crescimento de Rublev no ranking é expressivo. Pouco mais de três meses depois de entrar pela primeira vez no top 100, o russo começa a se estabelecer entre os cinquenta melhores. O atual 53º colocado, que deve subir para o 43º lugar, chegou a ocupar a 49ª posição por uma semana, logo após conquistar seu primeiro título do ATP, no saibro croata de Umag em julho.

Começou o juvenil

Marta Kostyuk e Marko Miladinovic venceram forte torneio canadense na última semana

Marta Kostyuk e Marko Miladinovic venceram forte torneio canadense na última semana

As chaves juvenis do US Open deram a largada no último domingo, infelizmente com as eliminações precoces de Thaísa Pedretti e Gabriel Décamps. O tênis brasileiro ainda contra com o paranaense Thiago Wild e com o paulista Matheus Pucinelli, que entrou por Special Exempt, após chegar à final do ITF G1 de Quebec na última semana.

A chave masculina é encabeçada pelo argentino Axel Geller, destaque nos torneios na grama, e pelo chinês Yibind Wu. Já o feminino tem como principais nomes a americana Whitney Osuigwe e a ucraniana Marta Kostyuk, respectivas campeãs de Roland Garros e do Australian Open.

Aconteceram dois bons torneios preparatórios nas últimas semanas: Em Maryland, o colombiano Nicolas Mejia e a australiana Jaime Fourlis (que já jogou chave principal de Roland Garros) triunfaram de simples e duplas. Já no Canadá, os títulos ficaram com a já citada Kostyuk no feminino e com o sérvio Marko Miladinovic entre os meninos, ao vencer Pucinelli na decisão.

Zverev busca o papel principal
Por Mario Sérgio Cruz
agosto 28, 2017 às 2:13 pm

Condicionado desde muito jovem para se tornar a próxima estrela do tênis mundial, Alexander Zverev passará por seu maior teste no US Open. Pela primeira vez, o alemão de 20 anos terá a oportunidade assumir o papel de protagonista na busca por um título um Grand Slam. Os títulos recentes em Washington e no Canadá e a ausência de muitos grandes nomes do circuito farão com que cada passo de Zverev, desde a primeira rodada, fique diante dos olhos dos grande público.

O número 6 mundo disputará cada vez mais partidas em quadras centrais, e na maioria das vezes sendo ‘a atração do jogo’. Será assim nesta segunda-feira, quando estreia na sessão noturna do Arthur Ashe Stadium contra o barbadiano vindo do quali Darian King. Estar em um grande palco está longe de ser novidade para Zverev, tampouco a ideia de jogar como favorito. Mas os jogos em que o alemão era o único chamariz costumavam acontecer nas quadras secundárias e a maior parte de suas experiências nos estádios principais foram no papel de franco-atirador, como um jovem promissor que poderia complicar a vida dos grandes nomes. Desta vez, Alexander Zverev é o grande nome, o jogador a ser batido.

Alexander+Zverev+Rogers+Cup+Presented+National+9owKrn2M1sBl

Em seu melhor momento na carreira, Zverev visualiza uma chance real de fazer seu primeiro resultado expressivo em um Grand Slam. O alemão, que fará sua décima aparição em um dos quatro maiores eventos do calendário, tem como melhor marca as oitavas de final de Wimbledon desta temporada. Será sua terceira participação no US Open, torneio do qual nunca passou da segunda rodada.

Com as desistências de Andy Murray, Novak Djokovic e Stan Wawrinka, além do fato de Roger Federer e Rafael Nadal terem sido sorteados do mesmo lado da chave, Zverev só pode enfrentar um jogador melhor colocado que ele no ranking em uma eventual final. Além disso, o atual sexto colocado só cruzaria com outro top 10 em uma possível semifinal. Com Marin Cilic inativo desde Wimbledon e Jo-Wilfried Tsonga sem grandes resultados em torneios importantes (embora tenha vencido um ATP 500 e mais dois 250), não seria nenhum absurdo vê-lo na decisão sem ter passado por nenhum top 10 durante o caminho.

Amplamente favorito na estreia, Zverev pode ter um duelo de jovens contra Borna Coric ou encarar o canhoto tcheco Jiri Vesely na rodada seguinte. Nas próximas fases, são cotados três jogos contra grandes sacadores: Kevin Anderson na terceira rodada, Gilles Muller nas oitavas, e John Isner ou Sam Querrey nas quartas. Com a incógnita sobre a real condição de Cilic, o aberto quadrante que definirá um dos semifinalistas pode ser vencido pelo veterano David Ferrer ou pelo ascendente francês Lucas Pouille, que foi às quartas no ano passado.

Títulos recentes e ausência de outros favoritos fazem com que Zverev tenha muito mais holofotes do que está habituado

Títulos recentes e ausência de outros favoritos fazem com que Zverev tenha muito mais holofotes que de costume

 

Fora do ambiente de jogo, as salas de entrevistas coletivas vão estar mais cheias, contando com jornalistas que não estão no dia a dia do circuito. E o número de compromissos extra-quadra virá nas megalomaníacas proporções do Slam americano. Saber lidar com esse tipo de situação será primordial e ter o ex-número 1 Juan Carlos Ferrero na equipe vale ouro nesse momento. Por ora, o espanhol tem ficado muito animado com a rotina de treinos do jovem alemão durante os três torneios em que viajaram juntos.

Mas nessa vida fora de quadra, Zverev cometeu um deslize no último sábado. Durante a entrevista coletiva prévia ao torneio, o alemão se irritou com uma pergunta, considerada por ele como repetitiva, sobre um assunto que sequer poderia causar alguma polêmica. (Confira a íntegra da entrevista)

2017-08-27 (1)

Repórter – Ter um irmão no circuito o ajuda? O quanto isso o afetou em sua carreira?
Zverev – Você já assistiu alguma entrevista minha? Estou fazendo uma pergunta. Você já viu? Quantas vezes eu respondi a essa pergunta nos últimos três meses?
Repórter – Muitas?
Zverev – Sim. Mas vou falar de novo (…) [e prosseguiu com a resposta]

Entendo o incômodo de Zverev em ter que responder à mesma pergunta tantas vezes. Entendo também que, o jornalista não iria ‘gastar’ a oportunidade da pergunta caso tivesse (ou tido tempo de ter) feito uma uma pesquisa um pouco mais qualificada para não colocar em discussão um tema que já foi debatido anteriormente.

Mas Zverev precisa entender que o ambiente de um Grand Slam é diferente, ainda mais na posição que ele ocupa agora. Não estarão lá apenas os repórteres habituados a cobrir semanalmente o circuito. Ali estarão profissionais do mundo inteiro, alguns que dominam o assunto, mas não têm a oportunidade de viajar para todos os eventos. Outros, com pautas e interesses jornalísticos diversos ao habitual, dispostos a apresentar a nova estrela ao seu público. Sem falar nos que estão ali apenas para cumprir ordens e nos que parecem ter ‘caído de paraquedas’ numa entrevista coletiva de um Grand Slam.

É preciso ter paciência. O jogador de destaque tem que saber que lidar com esse tipo de situação e a própria ATP oferece treinamento sobre como lidar com a imprensa aos mais jovens. Quantas vezes, Federer, Nadal, Djokovic ou Murray tiveram que responder às mesmas perguntas? Ou ainda quantas vezes foram perguntados sobre temas alheios à rotina do torneio? Falar à imprensa e dar seu ponto de vista sobre diferentes assuntos faz parte do trabalho de um jogador de elite é preciso saber sair dessas perguntas com elegância para não seja criado um desgaste desnecessário logo no primeiro dia do torneio.

Quadrante promissor

DIGaGkYXgAA5Fhe

Localizados no segundo quadrante da parte de baixo da chave, encabeçado por Tsonga e Cilic, dois jovens vindos de bons resultados podem protagonizar surpresas na primeira semana antes de um eventual duelo. O canadense Denis Shapovalov e o britânico Kyle Edmund podem se encontrar logo na terceira rodada caso aprontem diante dos cabeças mais próximos.

Por ter subido no ranking após o fechamento da lista de inscritos e sem receber um convite dos organizadores, Shapovalov precisou vencer três jogos no quali para disputar seu segundo Slam na carreira (foi convidado em Wimbledon por ser atual campeão do juvenil). O canhoto de 18 anos e 69º mundo estreia em duelo de jovens contra o russo Daniil Medvedev. Logo depois, o canadense pode cruzar o caminho de Jo-Wilfried Tsonga, cabeça 8 do US Open e eliminado nas estreias de Montréal e Cincinnati.

Edmund fez boas campanhas em Atlanta e Winston Salem

Edmund fez boas campanhas em Atlanta e Winston Salem e foi às oitavas no último US Open.

Já Edmund foi semifinalista dos ATP 250 de Atlanta e Winston Salem durante a preparação para o US Open. O britânico de 22 anos subiu nesta segunda-feira para o 42º lugar, ficando a duas posições de sua melhor marca da carreira. Sua estreia será o cabeça 32 holandês Robin Haase (semifinalista em Montréal, mas superado na estreia em Cincy) e logo depois pode rever o americano Steve Johnson, a quem derrotou há menos de uma semana.

É bom lembrar que Edmund já mostrou do que é capaz no US Open. Há um ano, quando era apenas 84º do mundo, surpreendeu nomes do porte de Richard Gasquet e John Isner, além de também vencido o anfitrião Ernesto Escobedo antes de cair para Novak Djokovic nas oitavas e encerrar sua melhor participação em Grand Slam.

Cenário perfeito para Shapovalov
Por Mario Sérgio Cruz
agosto 14, 2017 às 10:51 pm

Quem acompanha o blog já conhece um pouco da história de Denis Shapovalov. O canadense já foi assunto após o título juvenil de Wimbledon do ano passado, quando ele já possuía conquistas em nível future e uma semi de challenger na carreira. Em março deste ano, foi destacado seu primeiro título de challenger em Drummondville. Já há duas semanas, quando atingiu o 130º lugar  ao vencer o challenger de Gatineau, sua chegada ao top 100 já parecia iminente, o que se confirmou nesta segunda-feira. Com a incrível semana em Montréal, o canadense deu mais uma mostra de seu enorme potencial e agora encara um cenário perfeito para continuar a evoluir.

Shapovalov possuía apenas três vitórias em nível ATP antes da última semana. A campanha até a semifinal do Master 1000 canadense, com quatro vitórias sobre Rogério Dutra Silva (salvando quatro match points), Juan Martin del Potro, Rafael Nadal e Adrian Mannarino, fez do canhoto de 18 anos o mais jovem semi-finalista de um Masters, desde que a série começou em 1990, além de ser o mais jovem semifinalista do torneio canadense na Era Aberta. O simples fato de ter chegado às oitavas, fase em que superou Rafael Nadal, já o fizera ser o mais jovem naquela fase de um torneio desde porte desde o próprio Nadal no ano de 2004 em Miami.

Depois de saltar incríveis 76 posições no ranking, Shapovalov já aparece no 67º lugar, marca que evidentemente é a melhor de sua carreira. Além disso, o canadense não tem pontos a defender até o final do ano e só tem a somar em pelo menos sete torneios. Isso porque são considerados válidos os dezoito melhores resultados obtidos em 52 semanas e o jovem jogador acumulou 721 pontos em apenas onze competições.

Sem pressão por resultados ou defesa de pontos, o canadense poderá pensar seu calendário com calma e inteligência. Convites para chaves principais torneios do mundo não vão faltar nas próximas semanas e o jogador terá tranquilidade para fazer suas escolhas. Uma atitude interessante foi abrir mão de disputar o challenger de Vancouver que acontece nesta semana. O foco agora é o US Open, Grand Slam para o qual ainda não tem vaga direta. É possível que as expressivas vitórias seduzam os organizadores para um convite. Mas caso isso não aconteça, ele teria que disputar o quali já na semana que vem.

Veja quando caem os pontos de Shapovalov:

break down

Corrida para Milão

DHMdEoJWAAMUROj

A grande campanha no Masters 1000 canadense também deixa Shapovalov em situação bastante favorável para se classificar para o Next Gen Finals, que será disputado entre os dias 7 e 11 de novembro em Milão. O canhoto de 18 anos saltou do 22º para o quarto lugar, ficando atrás apenas do já classificado e seu último algoz Alexander Zverev, além de Karen Khachanov e Borna Coric. Sua diferença para o americano Jared Donaldson, primeiro fora da zona de classificação, é de 146 pontos. Parece pouca coisa, mas é praticamente uma final de ATP.

Zverev ratifica o domínio

Há uma semana, falamos sobre o quanto Alexander Zverev escancara a cada torneio sua superioridade sobre os demais jogadores de mesma faixa etária. São dez vitórias seguidas e dois títulos de peso em Washington e Montréal. A invencibilidade coincide com a chegada do ex-número 1 do mundo Juan Carlos Ferrero à equipe do alemão.

Zverev se mostra um tenista cada vez mais completo, com notória evolução na movimentação em quadra, a consistência defensiva e o jogo de rede. Aos poucos, o jovem alemão vai vencendo seus jogos correndo cada vez menos riscos, como fez na própria semifinal diante do próprio Shapovalov e nas oitavas contra Nick Kyrgios.

Zverev ainda não perdeu desde a chegada de Juan Carlos Ferrero à equipe (Foto: Peter Staples/ATP World Tour)

Zverev ainda não perdeu desde a chegada de Juan Carlos Ferrero à equipe (Foto: Peter Staples/ATP World Tour)

Com o título do Masters 1000 de Montréal, o alemão de apenas 20 anos já se torna o número 7 do ranking. Além disso, ele é apenas o segundo jogador em atividade de fora do Big Four a ter vencido dois Masters na carreira (juntando-se a Jo-Wilfried Tsonga). Zverev tamebém é também o primeiro jogador com menos de 20 anos a conquistar cinco títulos na mesma temporada desde Novak Djokovic em 2007 e o primeiro com quatro ou mais troféus desde Juan Martin del Potro em 2008. Está bem claro que está muitos degraus acima e será um dos grandes.

Chung é top 50

DHML6S0XcAE4HWT

 

Uma realidade que parecia iminente há dois anos finalmente se concretizou nesta segunda-feira. Hyeon Chung é top 50. A campanha até as oitavas de final do Masters 1000 de Montréal fez com que o sul-coreano de 21 anos subisse do 56º para o 49º lugar do ranking.

Chung já chegou a ocupar 51ª posição em outubro de 2015. Depois começar bem a temporada passada, chegando às quartas de um ATP pela primeira vez em Houston, o asiático teve uma lesão abdominal e ficou três meses fora, chegando a sair do top 100 e precisou voltar a jogar challengers.

A retomada veio a partir da temporada de saibro deste ano, com semi em Munique quartas em Barcelona. Nem mesmo uma lesão no tornozelo esquerdo, que o tirou de toda a temporada de grama, acabou com ímpeto do sul-coreano, que merecidamente se estabelece entre os 50 melhores do mundo.

 

Muitos degraus acima
Por Mario Sérgio Cruz
agosto 7, 2017 às 9:56 pm

A cada semana fica cada vez mais evidente a diferença de Alexander Zverev para os demais jogadores de mesma faixa etária. O título no ATP 500 de Washington ajuda o alemão de 20 anos a se consolidar entre os principais nomes do circuito. Já são quatro conquistas no ano, incluindo um Masters 1000, e cinco finais disputadas, além de uma evolução notável em todos os pisos e o melhor ranking da carreira ao atingir o oitavo lugar. Não dá para chamar Zverev de Next Gen mais. O alemão é uma realidade.

Tamanha diferença fica bem clara no ranking de jogadores com até 21 anos, que a ATP criou a partir desta temporada para estabelecer os jogadores classificados para o Next Gen Finals. Zverev já acumula 3.165 pontos na temporada e tem 2.285 pontos de vantagem para o segundo colocado, o russo Karen Khachanov, que somou 880 pontos desde janeiro. Ainda para efeito de comparação, com o mais próximo perseguidor, Khachanov é o 30º na lista da ATP e o 33º da temporada.

DGo2f3hXgAAetFu

Ainda com base na corrida para Milão, dá para destacar que Zverev fez mais pontos no ranking que Karen Khachanov, Andrey Rublev, Daniil Medvedev e Borna Coric somados. Os três russos e o croata acumularam juntos 2.967 pontos no ano. Ele também tem mais títulos de ATP que os quatro primeiros concorrentes somados, 5 a 3. Até mesmo o número de vitórias no ano é desigual, com 41 para o alemão, contra 21 de Khachanov, 10 de Rublev, 20 de Medvedev e 14 de Coric.

Desde Juan Martin Del Potro em 2008 que um jogador com menos de 21 anos conquistava quatro torneios na mesma temporada. Zverev é o quarto jogador que mais pontuou em 2017, que não terá mais Novak Djokovic nem Stan Wawrinka em quadra até o fim do ano. Nesse cenário, é bastante possível que o alemão se classifique para ATP Finals, em Londres, a partir do dia 12 de novembro.

Durante a campanha para o título do Masters de Roma, Zverev havia dito que tentaria jogar as duas competições no fim do ano. O fato de o evento de Milão ter um caráter mais de exibição e de teste de novas regras pode até aumentar as chances de ele entrar em quadra, mas não acho que um tenista entre os oito melhores do mundo abriria mão da semana de treinos logo antes do Finals. Madison+Keys+Bank+West+Classic+Day+7+8qgy3wv_J_jl Outro título para a nova geração veio com Madison Keys. A norte-americana de 22 anos conquistou o WTA Premier de Stanford ao vencer uma final caseira contra CoCo Vandeweghe. O terceiro título da carreira de Keys foi o primeiro desde as duas cirurgias que fez no punho esquerdo. Ela operou em novembro do ano passado e perdeu os dois primeiros meses da temporada para voltar em Indian Wells, mas precisou de mais uma cirurgia depois de Roland Garros para corrigir os efeitos da primeira.

Chamou atenção a evolução incrível da americana ao longo da semana. Em seu primeiro set no torneio, contra a pouco conhecida Caroline Dolehide, de 18 anos, Keys anotou apenas um winner e fez 11 erros, tendo bastante dificuldade com backhand e parecia que pensar primeiro em não sentir dor que construir os pontos. Aos poucos, ela foi retomando o nível e confiança, chegando à atuação de gala contra Garbiñe Muguruza na semi e o jogo sólido e sem ter o serviço quebrado contra Vandeweghe na final.

Depois do título e da recuperação de posições no ranking, Keys fez uma escolha inteligente de pular o Premier de Toronto. A americana não tem pontos a defender na semana e como não seria cabeça de chave teria que atuar já na terça-feira, só dois dias depois da final. O melhor a fazer agora é se prevenir de novas lesões para jogar sem dor e voltar ao melhor nível. Mais destaques da nova geração DGhOJYyUMAE2p57 Outro jovem destaque da última semana foi Thanasi Kokkikanis, australiano de 21 anos que foi finalista do ATP 250 de Los Cabos. A campanha de 150 pontos o fez subir do 454º para o 220º lugar do ranking, ainda distante da 69ª colocação que atingiu em junho de 2015, antes de sofrer com uma série de lesões. Kokkinakis operou o ombro direito em 29 de dezembro de 2015. Ele só voltaria às quadras em agosto do ano seguinte, nas Olimpíadas, onde disputou sua única partida no ano e desistiu do US Open e de torneios subsequentes por lesão muscular no peitoral. Já em 2017, o australiano começou o ano sendo campeão de duplas no ATP de Brisbane ao lado de Jordan Thompson, mas sentiu uma lesão no músculo abdominal durante a partida decisiva e só voltou a competir em maio, no challenger de Bordeaux. Desde então, ele já recuperou mais de setecentas posições.  

No feminino, quem brilhou foi Bianca Andreescu. A canadense de 17 anos subiu 23 posições depois de chegar às quartas de final em Washington e já aparece no 144º lugar, a melhor marca de sua carreira. A vitória mais expressiva da semana foi sobre a número 13 do mundo Kristina Mladenovic. Isso faz dela a primeira jogadora nascida em 2000 a ganhar de uma top 20. Andreescu, como o próprio nome sugere, é filha de imigrantes romenos, mas já nasceu no Canadá e é treinada pela francesa Nathalie Tauziat, ex-número 3 do mundo.

Já no circuito challenger, o espanhol de 20 anos Jaume Munar conquistou seu primeiro título no piso duro de Segovia. O resultado o fez subir mais de cem posições no ranking até o 200º lugar, sua marca mais alta na carreira. A cidade é especial para o tênis espanhol, já que foi lá que Rafael Nadal venceu seu primeiro challenger.

Nova geração brasileira 

A nova geração brasileira teve como destaque na última semana. O paranaense de 17 anos Thiago Wild fez sua melhor campanha em um torneio profissional ao chegar à semifinal do future de Piestany, na Eslováquia, chegando a derrotar o húngaro Mate Valkusz, ex-líder do ranking juvenil.

A parceria de Marcelo Zormann e Rafael Matos ficou com o vice-campeonato de duplas em future na Cidade do Porto, enquanto a paulista que treina nos Estados Unidos Luisa Stefani foi campeã de duplas na cidade espahola de Segovia, conquistando o terceiro título seguido. Quem atua nesta semana é a turma de 14 anos, que disputa o Mundial da categoria em Prostejov, na República Tcheca

Alemão de 16 anos fura o quali em Hamburgo
Por Mario Sérgio Cruz
julho 24, 2017 às 10:50 pm

Pela primeira vez, um jogador nascido nos anos 2000 vai disputar uma chave principal de ATP. O responsável pela façanha é o alemão Rudolf Molleker, apenas 923º do ranking, que conseguiu duas vitórias no qualificatório para o ATP 500 de Hamburgo e garatiu vaga no torneio alemão.

Durante o fim de semana, Molleker derrotou o norueguês Casper Ruud, 111º colocado, por 2/6, 6/4 e 6/4 e depois passou pelo argentino Leonardo Mayer, 138º, por 7/6 (7-2), 3/6 e 6/3. Sua estreia na chave principal está marcada para esta terça-feira, por volta das 7h30 (de Brasília) contra o russo de 21 anos Karen Khachanov, 32º do mundo.

Antes das duas incríveis vitórias no quali de Hamburgo, Molleker sequer havia disputado uma chave principal de challenger na carreira e nem mesmo chegou a uma final de future, nível de competição em que venceu apenas onze jogos, sendo apenas cinco este ano.

O alemão Rudolf Molleker venceu seus dois jogos no quali para o ATP 500 de Hamburgo

O alemão Rudolf Molleker venceu seus dois jogos no quali para o ATP 500 de Hamburgo

Shapovalov mais perto do top 100

Pouco mais de um ano depois de ter sido campeão juvenil de Wimbledon e de vencer seu primeiro jogo de ATP, Denis Shapovalov já está muito perto do top 100. O jovem canadense de 18 anos conquistou seu segundo título de challenger no ano na cidade de Gatineau e já aparece com o mlehor ranking da carreira ao ocupar 130º lugar, saltando 31 posições em relação à lista da semana passada.

Antes de conquistar o título em final caseira contra Peter Polansky, Shapovalov passou pelo anfitrião Philip Bester, pelo jovem australiano Max Purcell, além do italiano Thomas Fabbiano e o norte-americano Alexander Sarkissian. A única vitória sobre top 100 na semana aconteceu diante de Fabbiano, então 86º colocado.

Dos 424 pontos que Shapovalov tem no ranking, 328 foram obtidos na atual temporada, o que faz dele o 117º jogador que mais pontuou em 2017. Sua distância para o atual centésimo colocado, o esloveno Blaz Kavcic é de apenas 112 pontos. Já a diferença para o centésimo da temporada é de apenas 41 pontos até o tunisiano Malek Jaziri.

Com apenas 96 pontos a defender até o final do ano, sendo que 45 caem já na próxima segunda-feira, o canadense só tem a somar em pelo menos seis torneios. Isso porque dos dezoito resultados válidos para o ranking, o canadense só está computando os pontos obtidos em doze eventos.

Um ano atrás, Shapovalov aparecia no 370º lugar do ranking e saltou quase oitenta posições graças à vitória sobre Nick Kyrgios no Masters 1000 de Toronto, torneio que disputou como convidado. Mesmo com a diferença de calendário em relação à temporada anterior, ele pode até não sofrer perda de posições, já que disputa o challenger de US$ 100 mil em Granby que dá 90 pontos ao campeão.

 

Nova geração espanhola fatura dois títulos
Por Mario Sérgio Cruz
julho 16, 2017 às 9:09 pm

O fim de semana que começou com a incrível conquista da ainda jovem Garbiñe Muguruza em Wimbledon ainda rendeu mais duas boas notícias para a nova geração do tênis espanhol. Enquanto o jovem de 17 anos Nicola Khun venceu seu primeiro challenger, o também promissor Alejandro Davidovich Fokina foi campeão da chave juvenil do Grand Slam britânico.

Alejandro Davidovich Fokina é o primeiro espanhol em 50 anos a vencer o juvenil de Wimbledon

Alejandro Davidovich Fokina é o primeiro espanhol em 50 anos a vencer o juvenil de Wimbledon

Davidovich, que completou 18 anos em junho, venceu a final juvenil de Wimbledon contra o embalado argentino Axel Geller por 7/6 (7-2) e 6/3. Filho de russos, ele nasceu em Málaga e treina em Marbella e se tornou apenas o segundo espanhol a ser campeão juvenil no All England Club, repetindo o feito de Manuel Orantes obtido há cinquenta anos. Em entrevista ao jornal El País, ele reiterou o desejo de seguir defendendo seu país natal. “Sinto que sou mais espanhol… Sou muito espanhol e meu sonho é jogar a Copa Davis pela Espanha”.

O também finalista Geller vinha da conquista do ITF G1 na grama de Roehampton na semana anteriror e tentava dar o segundo título juvenuil de Wimbledon para a Argentina, sendo o primeiro no masculino, já que Maria Emilia Salerni foi campeã em 2000. O único sul-americano campeão juvenil masculino de simples em Wimbledon foi o venezuelano Nicolas Pereira em 1988.

O jovem argentino de 18 anos, que tentará o circuito universitário norte-americano em Stanford a partir do ano que vem, não saiu do All England Club de mãos abanando. Ao lado do taiwanês Yu Hsiou Hsu, ele venceu o torneio de duplas ao marcar duplo 6/4 contra o austríaco Jurij Rodionov e o tcheco Michael Vrbensky.

Campeão em Braunschweig, Nicola Kuhn disputava apenas o segundo challenger da carreira

Campeão em Braunschweig, Nicola Kuhn disputava apenas o segundo challenger da carreira

Já no saibro alemão de Braunschweig, Nicola Kuhn conquistou o título apenas no segundo challenger que disputou na carreira. O jovem de 17 anos só tinha uma vitória em torneios deste porte e um título de future. Atual 501º do ranking, ele já estava com a melhor marca da carreira e os 130 pontos somados (cinco do quali e 125 da chave principal) o farão se aproximar dos 250 melhores do mundo.

Kuhn nasceu na cidade austríaca de Innsbruck em março de 2000, filho de pai alemão e mãe russa. Ele optou por defender a Espanha aos 15 anos, já que treina na Equelite Sport Academy de Juan Carlos Ferrero. Depois de furar o quali no torneio, ele derrotou o português Gonçalo Oliveira, o argentino Carlos Berlocq (cabeça 4), o eslovaco Jozef Kovalik e o húngaro Márton Fucsovics antes de vencer a final contra o croata Viktor Galovic por 2/6, 7/5, 4/2 e desistência.

O jovem espanhol é o terceiro jogador com 17 anos ou menos a vencer um challenger na temporada, juntando-se aos canadenses Denis Shapovalov e Felix Aguer Aliassime. Ele também é o 14º jogador mais jovem a vencer um torneio deste porte, sendo o segundo nascido no ano 2000. O tradicional challenger de Braunschweig é também o primeiro evento a ter dois vencedores com menos de 17 anos, já que o alemão Alexander Zverev também triunfou em 2014.

Mais um jovem vencedor de challenger

O japonês de 20 anos Akira Santillan também venceu o primeiro challenger da carreira.

O jogador de 20 anos Akira Santillan também venceu o primeiro challenger da carreira.

O jovem de 20 anos Akira Santillan, 197º do mundo, foi outro a conquistar seu primeiro challenger nesta semana. Ele venceu o torneio de Winnetka, nos Estados Unidos, ao marcar 7/6 (7-1) e 6/2 contra o indiano Ramkumar Ramanathan na final. Ele passou também pelos americanos Denis Kudla, Kevin King e Dennis Nevolo nas fases iniciais e pelo alemão Mathias Bachinger na semi. Com os 80 pontos, ele deverá chegar ao 171º lugar, melhor marca da carreira.

Santillan é mais um caso de jogador com dupla nacionalidade. Nascido em Tóquio e filho de mãe japonesa, ele defendia a Austrália quando juvenil antes de optar pela cidadania japonesa há dois anos, mas desfez a troca recentemente e ganhou seu primeiro challenger como australiano. “Eu joguei pelo Japão no último ano e meio, mas sinto que sou mais australiano. Fui criado lá e falo inglês melhor. O japonês é minha língua materna, mas a maioria dos meus amigos são australianos e sinto-me mais confortável em ser australiano”, disse em entrevista ao site da ATP.

Façanhas das jovens americanas 

Final entre as americanas Ahn Li e Clarie Liu encerrou um período de 25 anos sem títulos dos Estados Unidos no juvenil de Wimbledon

Final entre as americanas Ahn Li e Clarie Liu encerrou um período de 25 anos sem títulos dos Estados Unidos no juvenil de Wimbledon

A nova geração do tênis americano segue colhendo frutos no circuito feminino e vem acumulando façanhas entre suas juvenis. Depois do primeiro título de Roland Garros em 28 anos na final americana vencida por Whitney Osuigwe sobre Claire Liu há um mês, mais uma vez duas jogadoras dos Estados Unidos decidiram um Grand Slam.

Liu venceu a final de Wimbledon contra Ann Li para encerrar um período de 25 anos sem títulos de americanas no juvenil de Wimbledon. Com o resultado, a jogadora que completou 17 anos em março assume a liderança do ranking mundial juvenil. Ela ultrapassa Osuigwe, de apenas 15 anos e que havia assumido o primeiro lugar na semana passada.

Vale lembrar que cinco das oito atletas que chegaram às quartas eram americanas: Além de Liu e Li, estavam a já citada Osuigwe, a atual campeã juvenil do US Open Kayla Day e também Sofia Sewing.

Promessas da ATP têm altos e baixos em Wimbledon
Por Mario Sérgio Cruz
julho 8, 2017 às 12:22 am

As jovens promessas do tênis masculino que estiveram presentes em Wimbledon tiveram altos e baixos na primeira semana do Grand Slam britânico. E se há um nome que simboliza bem essa falta de consistência é o do russo Daniil Medvedev, jogador de 21 anos e 49º do ranking.

Depois de ter feito três boas semanas na temporada de grama, chegando quartas em ‘s-Hertogenbosch e Queen’s e sendo semifinalista em Eastbourne, onde só perdeu para Novak Djokovic, Medvedev confirmou a boa fase ao derrotar Stan Wawrinka na primeira rodada de Wimbledon. Na entrevista, ele falou sobre como seu jogo se adapta à grama e como ele costuma crescer nos momentos importantes de seus jogos.

Medvedev eliminou Wawrinka, mas teve má conduta após derrota na rodada seguinte e foi multado

Medvedev eliminou Wawrinka, mas teve má conduta após derrota na rodada seguinte e foi multado

“Acho que meu jogo funciona muito bem na grama e é meu piso favorito. Tenho um bom saque, que não é muito forte, mas é bastante preciso, o que é mais importante para a grama, porque ele fica mais rápido que na quadra dura ou no saibro”, disse Medvedev. “Tenho um jogo muito reto e que ninguém gosta de enfrentar, porque jogar muitas bolas para cima depois dos meus golpes. E sou bom nos momentos importantes dos jogos”.

Mas o que se viu na rodada seguinte, contra canhoto belga Ruben Bemelmans, foi um espetáculo deprimente. Irritado com uma marcação da árbitra portuguesa Mariana Alves, Medvedev saiu completamente de um jogo em seu melhor momento, quando tinha quebra acima no quinto set, forçado após vencer a terceira e quarta parciais da partida. Depois do incidente, o russo venceu só mais um game e, diante da possibilidade de ser punido ou multado, o russo “se adiantou” à aplicação da pena e deixou algumas moedas em quadra. No dia seguinte, veio a conta: A multa pela má conduta foi de US$ 14 mil.

Khachanov não fez uma boa partida contra Monteiro, mas deixou boas impressões no duelo com Nadal

Khachanov não fez uma boa partida contra Monteiro, mas deixou boas impressões no duelo com Nadal

Outro russo que passou por altos e baixos foi Karen Khachanov, que vive seu melhor momento aos 21 anos, ocupando o 34º lugar do ranking e vindo de uma semifinal na grama de Halle. Ele cometeu muitos erros não-forçados no duelo com Thiago Monteiro pela segunda rodada e correu risco em todos os sets da partida.

Contra Rafael Nadal nesta sexta-feira, o jovem russo pôde jogar mais solto, e depois de ter poucas chances nos sets iniciais, deixou uma boa impressão na terceira parcial, quando pressionou mais o saque do espanhol e teve até set point. O futuro de Khachanov, que treina em Barcelona e já tem título de ATP, parece bem encaminhado.

Ninguém nas oitavas, por enquanto – Nenhum jogador da chamada #NextGen, jovens de até 21 anos e que estejam entre os 200 melhores, se garantiu nas oitavas da chave masculina, mas Alexander Zverev e Jared Donalson podem chegar lá.

Alexander Zverev ainda não perdeu sets no torneio

Alexander Zverev ainda não perdeu sets em duas rodadas no torneio e é favorito contra Ofner

Cabeça 10 em Wimbledon, Zverev ainda não perdeu sets no torneio, depois de passar pelo russo Evgeny Donskoy e o também promissor norte-americano Frances Tiafoe. O alemão é bem favorito contra o austríaco de 21 anos Sebastian Ofner, que entrará para a hashtag favorita da ATP depois de Wimbledon, já que será top 200 após suas duas primeiras vitórias no Slam britânico.

Já o 67º colocado Donaldson, que tem 20 anos e deverá ter o melhor ranking da carreira depois do torneio, tem a dura missão de enfrentar o cabeça 8 Dominic Thiem. O norte-americano já fez quatro jogos contra top 10 e busca ainda a primeira vitória.

Entre outros nomes da nova geração: O russo Andrey Rublev foi à segunda rodada, enquanto Borna Coric, Thanasi Kokkinakis, Stefanos Tsitsipas e o convidado canadense Denis Shapovalov caíram ainda na estreia.

Juvenil larga neste sábado – As chaves principais do torneio juvenil de Wimbledon dão a largada neste sábado. O Brasil está representado pelo paranaense Thiago Wild, o pernambuacano vindo do quali João Lucas Reis e a paulista Thaísa Pedretti. Única a entrar em quadra já no primeiro dia, Pedretti enfrentará a convidada britânica Anna Loughlan.

O principal cabeça de chave do masculino é o francês Corentin Moutet. O canhoto de 18 anos já 341º da ATP e as únicas competições juvenis que disputou na temporada foram os dois primeiros Grand Slam e o ITF G1 de Roehampton, onde perdeu ainda na estreia do único evento que disputou na grama. Seu primeiro compromisso será contra o argentino Sebastian Baez.

 

Por falar na Argentina, Axel Geller surpreendeu na última semana em Roehampton ficando com o título do principal evento preparatório para o Grand Slam britânico ao vencer o norte-americano Sam Riffice na final. Já o húngaro Zsombor Piros, cabeça 3 em Wimbledon, foi o favorito com melhor desempenho, chegando às quartas.

No feminino, a chave é encabeçada por duas americanas que já venceram Grand Slam juvenil. A campeã do US Open Kayla Day é principal favorita e estreia contra a suíça Lulu Sun. Já a vencedora de Roland Garros Whitney Osuigwe é a segunda cabeça de chave e pega a britânica Gemma Heath. Quem ganhou Roehampton foi a americana Claire Liu, finalista em Roland Garros e cabeça 3 em Wimbledon.

Competições no Paraná – O sábado também será de finais da 31ª edição da Londrina Junior Cup, torneio ITF G4 disputado nas quadras de saibro do Londrina Country Club. A partir das 10h30 acontecem as decisões de simples. No masculino, o paulista Matheus Ferreira Leite encara o português Daniel Rodrigues. Já a final feminina terá um duelo nacional entre a paulista Ana Paula Melilo e a mineira Marina Figueiredo.

Na semana que vem, acontece mais um torneio no saibro paranaense. As quadras do Clube Curitibano recebem o ITF Juniors de Curitiba, torneio nível G5. O quali masculino já começa neste sábado.

Com ’empurrãozão’, Rublev é top 100
Por Mario Sérgio Cruz
junho 26, 2017 às 10:46 pm

O top 100 do ranking masculino tem uma novidade nesta segunda-feira. O russo Andrey Rublev aparece com a melhor marca da carreira aos 19 anos, ocupando o 92º do lugar após a boa campanha até as quartas de final no ATP 500 de Halle.

DDQHBljXoAYeqVr

As vitórias sobre o espanhol Albert Ramos e o compatriota Mikhail Youzhny renderam um salto de 14 posições e o debute na lista dos cem melhores do mundo. Convidado no torneio, Rublev caiu para o também russo Karen Khachanov, que é dois anos mais velho e também garantiu seu melhor ranking ao chegar ao 34º posto.

Se a arrancada de Rublev no ranking foi tardia para a vaga direta em Wimbledon, ao menos a campanha na grama alemã serve como embalo para o russo que já estreou no quali para o Grand Slam britânico nesta segunda-feira com vitória por duplo 6/3 sobre o português João Domingues. Seu próximo rival é o irlandês James McGee.

Empurrãozão – Entre o final de 2014, ano em que foi campeão juvenil de Roland Garros, e a boa campanha em Halle na semana passada, Rublev já recebeu 16 convites para chaves principais de ATP, dos quais quatro foram para Masters 1000.

Das dezesseis vitórias em nível ATP que ele possui na carreira, dez vieram em torneios em que ele entrou como convidado. É inegável que o russo teve um “empurrãozão” e bem mais oportunidades que outros jogadores de sua geração, mas temos que destacar também que ele aproveitou boa parte das chances que teve.

Contestado – Rublev já teve alguns problemas de comportamento em quadra. Um dos que puxaram a orelha do russo foi o veterano Fernando Verdasco, depois de uma derrota para o jovem no ATP de Barcelona em 2015. O experiente espanhol afirmou: “Estou surpreso com o quão rude ele é para alguém de 17 anos. Ele não mostra nenhum respeito pelos adversários”.

À época próprio Rublev rebateu as acusacões: “Eu fico completamente louco quando comemoro alguns pontos, mas se o Cristiano Ronaldo faz isso, por que eu não posso fazer?”, disse o russo. “Não deve ser fácil enfrentar um jovem como eu e perder”.

Outro que já reclamou do mau comportamento em quadra do russo foi o argentino Renzo Olivo, por meio das redes sociais.

 

Por ora, não houve nenhuma denúncia ou punição formal contra Rublev, o que pode sinalizar que a má conduta em quadra tenha ficado no passado.

Boy Band – Mas se há um passado a realmente ser condenado do Rublev não é de suas explosões em quadra quando era recém-saído do juvenil. A boy band russa é muito pior.

Sensação canadense – Na semana anterior, quem se destacou foi o canadense Felix Auger-Aliassime com o título do challenger de Lyon. O jovem de apenas 16 anos saltou para o 231º lugar com a conquista (e já ganhou mais duas posições nesta semana).

2017-06-26 (2)

Com isso, Aliassime se tornou o quarto jogador desde 2000 a conseguir um lugar entre os 250 melhores com 16 anos, juntando-se a Rafael Nadal, Richard Gasquet e Juan Martin del Potro. Delpo, aliás, havia sido o último a conseguir tal feito, em 2005. O canadense também é o sétimo mais jovem vencedor de um torneio de nível challenger.