Monthly Archives: maio 2016

O que esperar do juvenil em Roland Garros?
Por Mario Sérgio Cruz
maio 29, 2016 às 1:48 pm

A chave juvenil de Roland Garros começa neste domingo e é sempre difícil apontar favoritos em um Grand Slam na categoria. Pouco se consegue ver esses garotos jogarem durante o ano e a análise se pauta muito mais em resultados. Também é importante lembrar que uma boa posição no ranking pode ser construída por diferentes caminhos, inclusive por torneios mais fracos. E por último, porque há jogadores não tão bem colocados por já priorizarem o circuito profissional.

Entretanto, o nome do grego Stefanos Tsitsipas é destaque para além da liderança do ranking mundial da categoria e a condição de cabeça 1 do torneio. Ele vem de dezesseis vitórias seguidas, sendo campeão do Trofeo Bonfiglio em Milão há uma semana, intercalado por dois títulos de future no saibro italiano. São três semanas seguidas só de vitórias.

Blanch (esq) tem bom histórico no saibro, Tsitsipas vem de 16 vitórias

Blanch (esq) tem bom histórico no saibro, Tsitsipas vem de 16 vitórias

Há outros bons nomes na chave como o canhoto canadense Denis Shapovalov, que já venceu dois futures em 2016 e fez uma semi de challenger aos 17 anos, mas teve melhores resultados na quadra dura. O agora espanhol Nicola Kuhn (nasceu na Áustria e jogava pela Alemanha), treina na academia de Juan Carlos Ferrero há bastante tempo. Já o cabeça 3 americano Ulyses Blanch, que treina na Argentina, tem bom saque, jogo agressivo e bom histórico no saibro.

O (agora) espanhol Nicola Kuhn treinou com o staff de Raonic durante a semana.

O (agora) espanhol Nicola Kuhn treinou com o staff de Raonic durante a semana.

Chama atenção o caso de Orlando Luz, que decidiu jogar em Roland Garros pela terceira vez seguida. Não, o gaúcho não está “baixando de categoria” ou “voltando ao juvenil”. Ele apenas entrou em uma chave de Grand Slam no ano em que completou 18. A prioridade de seu calendário já são os torneios de nível future, tanto que jogou um na semana passada e jogará outro logo depois de Paris.

As oportunidades que você tem em termos de treinamento e intercâmbio num Grand Slam juvenil, ainda mais para alguém de fora do eixo Europa-Estados Unidos, são muito valiosas. É fato que ele precisa evoluir, ganhar ritmo de jogo e subir no ranking profissional. Mas future de US$ 10 mil tem o ano inteiro, inclusive na semana do Natal se ele quiser jogar, é perfeitamente compreensível encaixar um Grand Slam juvenil no calendário. Eu no lugar dele faria o mesmo.

Orlandinho optou por disputar Masters Juvenil pela segunda vez. (Foto: Susan Mullane/ITF)

Orlando Luz não está “voltando ao juvenil”, apenas entrou na chave de um Grand Slam, o que é normal.

Não é o primeiro, nem será o último jovem a fazer essa escolha. Nos últimos anos, tem sido mais comum no feminino, já que Elina Svitolina, Eugenie Bouchard e Annika Beck entraram em chaves juvenis de Slam, num momento que já eram profissionais. Thiago Monteiro fez o mesmo em 2012, quando jogou só Roland Garros e US Open. Na própria chave de Roland Garros, há exemplo do cabeça 2 húngaro Mate Valkusz que liderou o ranking juvenil por algumas semanas este ano, mas só jogou juvenil no Australian Open.

Orlando fez a lição de casa na estreia contra o francês Louis Tessa e agora irá enfrentar o canadense Felix Auger Aliassime, jogador que é dois anos mais novo, mas já tem vitórias em challenger e no ano passado liderou seu país para o título da Copa Davis Juvenil (campeonato para atletas de até 16 anos).

Entre os quatro brasileiros, Gabriel Décamps é quem tem a chave mais interessante, com possibilidade de encontrar o bom sacador americano Ulyses Blanch nas oitavas de final. Os dois chegaram a se enfrentar no Banana Bowl em março, com vitória Blanch que seria campeão do torneio. Felipe Meligeni Alves estreia já contra um cabeça de chave, o sétimo favorito Yunseong Chung, enquanto Rafael Wagner pode cruzar o caminho do cabeça 1 logo na segunda rodada.

Ranking mundial juvenil tem novo líder
Por Mario Sérgio Cruz
maio 23, 2016 às 11:04 pm

O ranking mundial juvenil tem novo líder a partir desta segunda-feira. O grego Stefanos Tsitsipas deu salto de oito posições, do nono ao primeiro lugar, ao conquistar o título do Trofeo Bonfiglio, O tradicional evento dá 250 pontos ao campeão, por ser um torneio GA do circuito de 18 anos da ITF, além de um bônus de 62,5 pontos por conta dos nomes de peso da chave.

No saibro italiano de Milão, Tsitsipas venceu a final contra o norte-americano que treina na Argentina Ulises Blanch por 6/4 e 6/3. Blanch, que em março venceu o Banana Bowl, é o novo terceiro colocado.

O grego Stefanos Tsitsipas, que tem 1,93m aos 17 anos, chegou à liderança após título em Milão. (Foto: Corinne Dubreuil)

O grego Stefanos Tsitsipas, que tem 1,93m aos 17 anos, chegou à liderança após título em Milão. (Foto: Corinne Dubreuil)

“Este é o troféu mais importante da minha carreira”, disse Tsitsipas em entrevista ao site da ITF. “Acho que melhorei minhas habilidades e meu jogo. Acredito que a parte física é o que eu tenho mais a melhorar, porque isso é muito importante hoje em dia. Posso dizer que eu também preciso melhorar meu saque, embora ele tenha funcionado muito bem na final, e ainda posso melhorar meu backhand de uma mão”.

Com apenas 17 anos, Tsitsipas já em 1,93m. O grego teve uma parte considerável de sua formação na França, na academia de Patrick Mouratoglu, técnico de Serena Williams, e hoje treina em seu país de origem. Além do potente saque beneficiado pela altura, o grego também se destaca pelo cada vez mais raro backhand de uma mão. O estilo de jogo chama atenção tanto pela pouca idade, quando por sua estrutura física, mas faz sentido com relação ao seu jogador favorito, Stan Wawrinka.

A posição no ranking vem do bom final do ano passado, na Flórida, em que ele foi semifinalista do Eddie Herr (perdeu para o canadense de 15 anos e que já tem até vitória em challenger Felix Auger-Aliassime) e vice-campeão do Orange Bowl (caiu no tiebreak do terceiro para o sérvio Miomir Kecmanovic). Foi, aliás, a segunda vez seguida que ele decidiu o Orange. Já em 2016, ele começou o ano disputando só dois eventos juvenis, com destaque para as quartas no Australian Open.

O título também coroou a boa série do jovem tenista grego saibro italiano já como profissional. Ele venceu dois futures num intervalo de quatro semanas com ainda uma campanha até as quartas e outra até a semi. Na carreira já são três conquistas em simples e outras cinco em duplas.

Feminino – A liderança do ranking juvenil feminino continua com a bielorrussa Vera Lapko, campeã do Australian Open. No entanto, a russa Olesya Pervushina deu salto de doze posições e agora está no segundo lugar com título em Milão. Pervushina venceu a final em Milão por 6/4 e 6/0 contra a eslovena vinda do quali Kaja Juvan.

As jovens promessas em Roland Garros
Por Mario Sérgio Cruz
maio 20, 2016 às 11:34 pm

O sorteio que definiu as chaves de Roland Garros traçou o roteiro das jovens promessas que estarão em quadra nas próximas duas semanas no saibro parisiense. Há quatro bons duelos de novatos, sendo dois no masculino e dois no feminino. Outros nomes de destaque da badalada nova geração do circuito da ATP conheceram não apenas os primeiros rivais, como também o caminho até eventuais duelos contra rivais de renome.

Coric é favorito para duelo da nova geração com Fritz

Coric é favorito para duelo da nova geração com Fritz

Coric x Fritz – Um confronto interessante envolve Borna Coric e Taylor Fritz. Quem passar, deve pegar Bernard Tomic e entra na rota para encontrar Novak Djokovic nas oitavas. Há um contraste de estilos eles e a proposta de jogo do croata, que prolonga mais trocas e é firme do fundo de quadra, tende a prevalecer no saibro. Um ano mais velho, o 44º colocado Coric já disputou seis chaves principais de Grand Slam contra apenas uma do americano, que é 72º do mundo aos 18 anos. Nessa faixa etária é uma diferença considerável.

Chung x Halys – Outra partida que chama atenção conta com o sul-coreano de 20 anos Hyeon Chung, 112º colocado, e o convidado local de 19 anos Quentin Halys, 154º. O vencedor estará no caminho de Pablo Cuevas para a segunda fase e Tomas Berdych na terceira rodada. Chung tem um bom jogo para o saibro, mas vem em queda no ranking, depois de ter ocupado o 51º lugar. Isso se explica pelo calendário mais ousado ao priorizar ATPs e a não-defesa de challengers vencidos em 2015. Por sua vez, Halys está com o melhor ranking da carreira e ganhou seu primeiro challenger no mês passado.

Zverev estreia contra Herbert e pode rever Thiem na 3ª rodada

Zverev estreia contra Herbert e pode rever Thiem na 3ª rodada em Paris.

Finalista de ATP pela primeira vez na carreira nesta semana, Alexander Zverev também tem uma estreia interessante. Com 1,98m aos 19 anos, o jovem alemão testará a potência de seu saque e golpes contra Pierre Hugues-Herbert, que não chega a ser nenhum novato aos 25 anos, mas está em franca ascenção e desenvolveu muito seu tênis pela experiência em alto nível. Caso Zverev passe por essa difícil estreia e vença mais uma, pode até rever Dominic Thiem, adversário deste sábado na final de Nice.

O jovem com a melhor condição entre os cabeças de chave é o australiano de 21 anos Nick Kyrgios, 17º favorito em Paris. Ele vai estrear contra o italiano Marco Cecchinato e tem o quali Adrian Ungur ou lucky loser Igor Sijsling para a segunda fase. Ainda que Richard Gasquet e John Isner tenham rankings melhores, não seria nenhum absurdo ver Kyrgios dominar este setor da chave até encontrar Andy Murray nas oitavas de final.

O torneio feminino perdeu Belinda Bencic, que não jogou na temporada europeia de saibro por conta de uma rachadura no cóccix. A suíça de 19 anos e número 8 do mundo vinha reclamando de dores na região lombar desde março, durante Indian Wells e Miami. Ainda assim, a nova geração tem outros bons nomes no torneio.

A letã Ostapenko enfrentará o bom saque da também jovem Naomi Osaka

A letã Ostapenko enfrentará o bom saque da também jovem Naomi Osaka

Duas das três mais jovens integrantes do top 100, a letã de 18 anos Jelena Ostapenko e a russa de 19 anos Daria Kasatkina entraram como cabeças de chave em Paris e também enfrentam rivais promissoras. Ostapenko será desafiada pela boa sacadora japonesa Naomi Osaka, jogadora de 1,80m aos 18 anos. Já Kasatkina tem pela frenta a alemã de 22 anos Anna-Lena Friedsam, que na temporada passada tirou set de Serena Williams em Paris.

Cinco ‘adolescentes’ já venceram challengers este ano
Por Mario Sérgio Cruz
maio 16, 2016 às 7:28 pm

Ainda estamos em maio e cinco nomes da nova geração do tênis masculino já conquistaram títulos em challenger antes de completarem 20 anos de idade. Depois de Taylor Fritz, Andrey Rublev, Blake Mott e Quentin Halys, o russo Karen Khachanov se juntou ao grupo de jovens vencedores ao ficar com o troféu em Samarkland no último sábado.

Russo Khachanov é o 5º com menos de 20 anos a vencer um challenger no ano (Foto: Barcelona Open Banc Sabadell)

Russo Khachanov é o 5º com menos de 20 anos a vencer um challenger no ano
(Foto: Barcelona Open Banc Sabadell)

Aqui cabe uma observação sobre o termo. Os americanos e demais países de língua inglesa usam teenager, para designar o jovem com menos de 20 anos. Como o tênis não trabalha com categorias “Sub-20″, a palavra que transmite melhor essa ideia quando traduzimos para o português, é “adolescente”, embora o termo seja usado com mais frequência por aqui para falar de quem tem menos de 18 anos.

Um exemplo de como a há uma geração muito boa por vir é um breve quadro comparativo com as últimas temporadas. Em 2014, apenas seis jogadores com menos de 20 anos venceram torneios de nível challenger. Já no ano passado, foram treze conquistas de atletas da mesma faixa etária (sendo oito títulos para quem tinha até 18 anos). Antes da metade do ano, os jovens já repetiram quase 40% dos ótimos números de 2015.

Entre os jovens vencedores deste início de temporada, os nomes de Taylor Fritz e Andrey Rublev são certamente os mais conhecidos. Ambos são ex-líderes do ranking mundial juvenil e foram campeões de Grand Slam na categoria de acesso. Em 2016, o americano venceu o challenger de Happy Valley, na Austrália, e o russo triunfou na cidade francesa de Quimper.

Para Fritz, até mesmo os challengers já são parte do passado, apesar da pouca idade. O atual 72º do mundo entrou no top 100 em fevereiro e foi finalista do ATP de Memphis. Ele já tem nove vitórias em ATP na carreira (sendo oito este ano) e monta um calendário já priorizando os grandes torneios. Por sua vez, Rublev subiu bastante graças aos treze(!) convites para chaves de ATP que já recebeu em apenas dois anos de circuito, mas ocupa ainda o 149º lugar. O jovem russo venceu dez partidas em ATP, mas só uma este ano.

Promessa francesa Halys ganhou convite para a chave de Roland Garros

Promessa francesa Halys ganhou convite para a chave de Roland Garros

Quentin Halys foi campeão há duas semanas em Tallahassee, nos Estados Unidos. O atual 154º colocado aos 19 anos chamou a atenção pela primeira vez em janeiro, quando fez uma boa apresentação contra Novak Djokovic no Australian Open. A promessa francesa está com seu melhor ranking na carreira e foi convidado para a chave principal de Roland Garros.

Karen Khachanov é um grandalhão de 1,98m aos 19 anos. Natural de Moscou, o russo treina em Barcelona com Galo Blanco e, por isso, ganhou convite para o quali do ATP 500 espanhol. Ele aproveitou a chance e foi até às oitavas, derrotando o top 20 Roberto Bautista Agut. O russo, que foi medalhista de prata na chave de duplas dos Jogos Olímpicos da Juventude, concilia a circuito com faculdade de Educação Física. Ele aparece com o melhor ranking ao ocupar o 109º lugar e tentará o quali em Paris.

Mott é o jogador menos conhecido entre os jovens vencedores, já que não teve resultados expressivos como juvenil e ainda está no 336º lugar da ATP. Ele chegou a engatar uma sequência de nove vitórias seguidas ao ser campeão em Launceston e depois ser vice no future de Port Pirie, ambos em seu país de origem. Por ter vencido um challenger quando era 721º do mundo, é o quinto atleta de ranking mais baixo a ganhar um torneio neste nível desde 2000.

Fortes torneios juvenis na Itália – Na semana passada, falamos sobre o início da série de principais competições juvenis no saibro europeu. O tradicional evento G1 Città Di Santa Croce, na Itália, teve título masculino para o cabeça 4 australiano Alexei Popyrin, com os americanos Brandon Holt e Vasil Kyrkov nas duplas. A chave feminina teve surpresas com as eliminações precoces das favoritas Katie Swan e Charlotte Robillard-Millette e título da espanhola Eva Guerrero Alvarez, que bateu a cabeça 6 britânica Emily Appleton na decisão.

O torneio desta semana é o 57º Trofeo Bonfiglio, em Milão, que será a principal competição preparatória para Roland Garros. São seis top 10 no masculino e outras duas no evento feminino. Os brasileiros Gabriel Décamps e Felipe Meligeni Alves estão na chave principal da competição de nível GA com 250 pontos para o vencedor, além de um bônus na pontuação a partir de oitavas de final.

Zormann vence future – Uma boa notícia para a nova geração do tênis brasileiro foi o primeiro título do ano de Marcelo Zormann. O jovem paulista de 19 anos foi campeão de simples e duplas (ao lado de João Sorgi) no saibro argentino de Villa Del Dique. Ele já tem três títulos de future em cinco em duplas.

Começam os principais eventos da Gira Europeia Juvenil
Por Mario Sérgio Cruz
maio 11, 2016 às 9:10 pm

Ao mesmo tempo em que os olhos do tênis mundial estão voltados para Roma nesta semana, com disputa de um Masters 1000 e um WTA Premier, o circuito juvenil também tem uma parada importante no saibro italiano. O tradicional torneio Città Di Santa Croce, que este ano chega à sua 38ª edição, dá início à série de competições mais importantes no saibro que vai até o término de Roland Garros.

O Santa Croce é um torneio nível G1 do circuito de 18 anos da ITF, que dá 150 pontos ao campeão. A Gira Europeia seguirá na Itália por mais uma semana, com a disputa do 57° Trofeo Bonfiglio em Milão. O evento vencido pelo gaúcho Orlando Luz em 2015 é da categoria GA com 250 pontos para o vencedor, além de um bônus na pontuação a partir de oitavas de final.

O último torneio preparatório para o segundo Grand Slam do ano será o Astrid Bowl, na cidade belga de Charlenoi. Ele acontece simultaneamente à primeira semana de Roland Garros, já que os torneios juvenis em Grand Slam acontecem a partir da segunda semana. Em Paris, os jovens lutam por 375 pontos, sendo 250 pelo nível do torneio (GA) e outros 125 em bônus.

Os brasileiros não foram bem no Santa Croce, já que Felipe Meligeni Alves e Lucas Koelle caíram logo na rodada de estreia e para jogadores da casa, além de Thiago Wild e Arion dos Reis que se despediram ainda durante o qualificatório. Nas próximas semanas, o paulista Gabriel Décamps deve se juntar à equipe brasileira na Europa.

A chave feminina do Santa Croce já começou com surpresas, com as eliminações da britânica Katie Swan e a canadense Charlotte Robillard-Millette. As cabeças 1 e 2 do torneio estiveram há pouco tempo no ITF Juniors Masters na China e resultados expressivos. A melhor cabeça de chave já nas quartas é a britânica Emily Appleton, finalista do Banana Bowl e sexta pré-classificada na Itália.

Revelação em 2015, Gavrilova vive ano de confirmação
Por Mario Sérgio Cruz
maio 4, 2016 às 6:52 pm

Escolhida como a revelação da temporada 2015 no circuito feminino, Daria Gavrilova chegou à sua quinta vitória em dez jogos contra top 10 na carreira ao superar Petra Kvitova nesta quarta-feira em Madri. O nome dela já está no radar de quem acompanhava as competições juvenis desde 2010, mas apenas nos dois últimos anos ela tem obtido resultados consistentes na WTA.

Atual 39ª colocada aos 22 anos, Gavrilova vive uma temporada de confirmação. O segundo ano na elite do circuito é de extrema importância, primeiro pelos pontos a serem defendidos e depois porque seu jogo já fica mais conhecido das adversárias. Se em 2015 foram 44 vitórias e um salto da 233ª para 36ª posição, a evolução segue com as dez vitórias na atual temporada e a vaga nas quartas em Madri. O resultado praticamente cobre a surpreendente semi de Roma que tem a descontar na próxima semana e a fará superar o melhor ranking da carreira, o 33º lugar obtido em fevereiro.

Australiana foi eleita a revelação de 2015 e terá o melhor ranking da carreira. (Foto: Mutua Madrid Open)

Australiana foi eleita a revelação de 2015. Campanha em Madri a levará ao melhor ranking da carreira. (Foto: Mutua Madrid Open)

A jogadora nascida em Moscou e que hoje defende a Austrália foi número 1 do juvenil em 2010, ano em que venceu o US Open da categoria e medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos da Juventude em Singapura. Ela fazia parte de uma boa safra russa que venceu duas Fed Cup Junior seguidas (em 2009 e 2010), sendo contemporânea da atual 47ª colocada Margarita Gasparyan e a 53ª Yulia Putintseva, que também mudou de nacionalidade. Aquele grupo ainda formou a boa canhota Irina Khromacheva, que ainda não conseguiu furar o top 100.

Ainda que boa parte de sua formação tenha sido com Patrick Mouratoglu, Gavrilova passou por situações adversas em sua carreira que ajudam a explicar o porquê de sua evolução ter corrido de maneira mais lenta até os 21 anos. A principal dificuldade veio por conta de uma lesão que a fez passar por uma reconstrução do joelho direito e ficar fora de quadra entre novembro de 2013 e junho de 2014. Ela despencou do 128º para o 368º lugar.

Paralelamente, a jogadora passou por um longo processo de troca e nacionalidade. Residente na Austrália desde janeiro de 2013, quando passou a treinar com a ex-jogadora profissional Nicole Pratt, Gavrilova começou a defender o novo país apenas em Grand Slam e torneios ITF no quali do US Open de 2014 e passou a ser considerada australiana para a WTA apenas em dezembro do ano passado.

A jovem tem caído nas graças da torcida australiana este ano a começar pelo título da Copa Hopman ao lado de Nick Kyrgios e pela boa campanha até às oitavas em Melbourne. Em Madri, ela é favorita para o jogo contra a também novata americana Louisa Chirico, 130ª colocada aos 19 anos, que acontece nesta quinta-feira pelas quartas de final. Posicionada em um setor da tabela que não tem mais cabeças de chave, apesar das experientes Sorana Cirstea e Dominica Cibulkova, pode sonhar com um lugar na final.