Monthly Archives: setembro 2016

Zverev quebra escrita de oito anos, Pouille já pensa em 2017
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 26, 2016 às 10:17 pm

O fim de semana da ATP foi muito positivo para dois integrantes da nova geração que comemoraram seus primeiros títulos, derrotando adversários do top 10 nas finais. Alexander Zverev foi campeão na cidade russa de São Petersburgo ao marcar 6/2, 3/6 e 7/5 diante de Stan Wawrinka na decisão. Já Lucas Pouille passou por Dominic Thiem, com 7/6 (7-5) e 6/2 na final do ATP de Metz.

Zverev é o primeiro jogador com menos de 20 anos a vencer um ATP desde Marin Cilic em 2008 (Foto: SPB Open)

Zverev é o primeiro jogador com menos de 20 anos a vencer um ATP desde Marin Cilic em 2008 (Foto: SPB Open)

Aos 19 anos, Zverev é o primeiro teenager/”adolescente” a vencer um ATP desde agosto de 2008, quando Marin Cilic foi campeão de New Haven aos 19 anos. Naquela mesma temporada, Kei Nishikori foi campeão de Delray Beach em fevereiro, com apenas 18 anos.

“Ganhar um título é um sonho que se tornou realidade agora e ser o primeiro desde 2008 a vence com tão pouca idade é ótimo, estou muito orgulhoso de mim mesmo”, disse Zverev em entrevista à ATP.

“Vencer Tomas Berdych na semifinal e Stan Wawrinka, que é o campeão do US Open, na final é algo de que eu me orgulho ainda mais”, acrescentou o alemão que saltou do 27º para o 24º lugar no ranking. Antes da última semana, ele tinha apenas uma vitória contra top 10 na carreira, obtida diante de seu ídolo Roger Federer na grama de Halle.

CtYEWQzXEAECXiR
Zverev tenta ser o primeiro jogador com menos de 20 anos a terminar uma temporada no top 20 desde que Novak Djokovic e Andy Murray o fizeram em 2006. Considerando apenas os resultados da atual temporada, o jovem alemão já é o 19º tenista que mais pontuou em 2016.

 

Lucas Pouille já derrotou cinco top 10 no ano, está entre os 16 melhores e já projeta o Australian Open

Lucas Pouille já derrotou cinco top 10 no ano, está entre os 16 melhores e já projeta o Australian Open

Já o francês Pouille alcançou o 16º no ranking mundial com o título em seu país. Algoz de Rafael Nadal no US Open, o jovem de 22 anos chegou à quinta vitória contra top 10 na temporada e na carreira e já saltou mais de sessenta posições em relação ao ranking que ocupava na primeira semana de 2016.

“Estou muito feliz. É uma honra ganhar meu primeiro título de ATP na França, junto da família e amigos. É ainda mais especial vencer quando eles estão aqui e poder compartilhar a felicidade com todos eles”.

Pouille passou pelos cabeças de chave 1 e 2 nas rodadas finais, David Goffin e Dominic Thiem. “Eu tive vitórias no passado contra esses dois jogadores e estava me sentindo bem física e mentalmente, então eu sabia que se desse 100%, teria chance de ganhar”.

Depois de chegar às quartas de final em dois Grand Slam, Pouille espera manter sua posição estratégica no ranking ou até mesmo melhorar já projetando a próxima temporada. “Eu adoraria terminar o ano no Top 16, para que eu possa ter uma boa posição entre os cabeças de chave no Aberto da Austrália”.

Osaka é top 50 – A japonesa de 18 anos Naomi Osaka não conseguiu título na semana, mas teve uma expressiva campanha até a final do WTA Premier de Tóquio. Ela passou pela 12ª do ranking Dominika Cibulkova nas oitavas e por Elina Svitolina, 20 do mundo, na semi antes de parar na ex-número 1 e então 28ª colocada Caroline Wozniacki, que a venceu por 7/5 e 6/3.

Osaka não sacou tão bem quanto pode na final e sofreu com algumas devoluções de segundo saque com backhand na paralela de Wozniacki. Os 32 erros não-forçados, muitas vezes na tentativa de antecipar a definição dos pontos, contra só 16 da dinamarquesa também minaram seu plano tático no jogo decisivo.

Tímida durante sua primeira premiação de torneio, Osaka tem dado poucas entrevistas, mesmo na boa campanha que fez em seu país, mas já assinou contrato com a IMG para gerenciar sua carreira. A japonesa de 1,80m tem pai haitiano e treina na Flórida. Com os 305 pontos somados em Tóquio, ela já tem o melhor ranking da carreira ao alcançar o 47º lugar. Além disso, ela passa a ser a atleta mais jovem do top 50.

Osaka tem sido mais aberta nas coletivas de imprensa, onde consegue se expressar melhor sobre as partidas. Exemplo disso está na transcrição do que ela disse após a dura derrota para Madison Keys no US Open. É uma personagem interessante para os próximos anos do circuito, tenista legal de torcer e um mito do Twitter.

https://twitter.com/NaomiOsakaWTA/status/776933066489102336

Monteiro tem melhor ranking – Finalista no challenger de Santos, Thiago Monteiro poderia ter saído do litoral paulista com seu segundo título neste porte e o posto de número 1 do Brasil, mas o argentino Renzo Olivo foi campeão com parciais de 6/4 e 7/6 (7-5). A conquista não veio, mas o canhoto de 22 anos bateu o recorde pessoal no ranking ao ocupar o 87º lugar

20160922jp2_942223_m

Monteiro tem seu recorde pessoal no ranking ao alcançar o 87º lugar (Foto: João Pires)

Monteiro é o décimo jogador mais jovem no top 100 e vê apenas sete jogadores mais novos do que ele melhor colocados. Com apenas 52 pontos a defender até o fim do ano, dos quais apenas 32 contam para seu ranking atual, ele deverá fechar a temporada entre os cem melhores e disputar seu primeiro Grand Slam na Austrália, em 2017.

2016-09-26

Na semana que vem, Monteiro joga o challenger de campinas. O cearense será um dos favoritos do torneio, ao lado do dominicano Victor Estrella Burgos, do paulista Rogério Dutra Silva e dos argentinos Carlos Berlocq e Leonardo Mayer.

Menezes de volta, Orlando e Zormann na chave – Fim de semana positivo também para outros nomes da nova geração brasileira. Orlando Luz e Marcelo Zormann furaram o quali do challenger de Medellín e cada um já soma cinco pontos no ranking.

Zormann, aliás, já até conseguiu uma vitória na chave principal sobre o argentino Andrea Collarini por 6/3, 2/6 e 6/4 para chegar à sua quarta em nível challenger na carreira.

Outra novidade do torneio colombiano foi a volta de João Menezes às competições. O mineiro de 19 anos passou dez meses sem jogar e precisou de três cirurgias no joelho esquerdo. Ele chegou a avançar uma rodada no quali, antes de cair para Orlando Luz.

Chung defende título – Também na última semana, o sul-coreano Hyeon Chung defendeu o título do challenger de Kaohsiung, em Taiwan, ao derrotar o compatriota Duckhee Lee por 6/4 e 6/2. Depois de ficar quatro meses parado por lesão abdominal, o ex-número 51 do mundo aparece apenas no 132º lugar.

Foi apenas o segundo torneio desde a volta às quadras, sendo que na semana anterior ele foi finalista na cidade chinesa de Nanchang. Chung já tem seis títulos de challenger e venceu ao menos um título por ano nas últimas três temporadas.

 

Semana de novidades no circuito e nas paralimpíadas
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 14, 2016 às 10:38 pm

Enquanto o US Open estava em reta final, o circuito teve novidades como dois campeões inéditos em torneios de nível challenger. Ao mesmo tempo, a nova geração do tênis paralímpico consegue dois bons resultados nos Jogos do Rio. Já uma das principais promessas do tênis americano anunciou sua continuidade no circuito.

Noruguês de 17 anos Casper Ruud foi campeão logo no primeiro challenger que disputou

Noruguês de 17 anos Casper Ruud foi campeão logo no primeiro challenger que disputou (Foto: Copa Sevilla 2016)

No saibro espanhol de Sevilla, o noruguês de 17 anos Casper Ruud foi campeão do challenger de 42,5 mil euros disputado na semana passada, com vitória sobre o japonês Taro Daniel na decisão. O fato mais expressivo é que este foi o primeiro challenger do qual ele participou. Ex-líder do ranking juvenil, Ruud aparece no 274º lugar após a maior conquista da carreira.

Ruud que foi finalista do ITF Junior Masters em abril faz uma boa temporada no profissional. Ele já venceu dois futures e disputou outras duas finais, antes do título inédito em Sevilla. O tênis está no DNA da família Ruud. O pai, Christian, foi 39º do ranking e venceu 12 challengers na carreira.

O russo de 20 anos Daniil Medvedev conquistou seu principal título na França

O russo de 20 anos Daniil Medvedev conquistou seu principal título na França (Foto: Trophée des Alpilles)

Outro que venceu seu primeiro challenger na semana passada foi o russo de 20 anos Daniil Medvedev. Ele foi campeão na cidade francesa de St. Remy ao derrotar o belga Joris De Loore na final. O título rendeu treze posições a Medvedev, que aparece com o melhor ranking da carreira ao atingir o 143º lugar. Ele já venceu dois jogos de ATP e havia disputado uma final de challenger em Portoroz, na Eslovênia, em agosto.

CiCi profissional

CiCi Bellis adiou a ida à universidade e seguirá no circuito profissional (Foto: Coupe Banque Nationale)

CiCi Bellis adiou a ida à universidade e seguirá no circuito profissional
(Foto: Coupe Banque Nationale)

Como era esperado após uma boa participação no US Open, a jovem de 17 anos Catherine ‘CiCi’ Bellis adiou sua ida à universidade de Stanford e vai seguir carreira como tenista profissional. Foram cinco vitórias em Nova York, três no quali e duas na chave principal e inédita 120ª posição no ranking da WTA.

“Acho que eu ainda posso ir para a faculdade depois que parar de jogar, por isso não pesa tanto para mim decidir isso agora. Eu quero jogar por muito tempo e eu acho que meu jogo e meu corpo estão prontos para isso agora”, revelou a jovem jogadora que já assinou com a agência IMG para gerenciar sua carreira e foi disputar o WTA de Québec, onde já está nas quartas.

Renovação paralímpica

O britânico  Alfie Hewett está na final das Paralimpíadas com apenas 18 anos (Foto: ITF)

O britânico Alfie Hewett está na final das Paralimpíadas com apenas 18 anos (Foto: ITF)

O tênis em cadeira de rodas é uma modalidade longeva, tanto que o atual número 1 do mundo, o Stephane Houdet está com 45 anos. Ainda assim, a nova geração tem garantido bons resultados. O ponto alto é a presença de Alfie Hewett na final de simples, jogador que tem apenas 18 anos e já foi campeão de duplas em Wimbledon ao lado do também finalista paralímpico Gordon Reid de 24 anos.

No feminino, prevalece o domínio holandês. Se a lendária Esther Vergeer já parou de jogar e a experiente Jiske Griffioen está na liderança do ranking aos 31 anos, a hegemonia pode ser mantida em Tóquio. Destaque para jovem de 19 anos Diede de Groot, que foi semifinalista no Rio e terminou em quarto lugar. Já a canhota Aniek van Koot disptará sua segunda final olímpica aos 26 anos.

* Estive de folga no término do US Open e o assunto das finais do torneio juvenil ficaria velho para o blog, mas temos os registros de simples e duplas no site. Destaque para a conquista de Felipe Meligeni Alves nas duplas ao lado do boliviano Juan Carlos Aguilar. Este foi o 33º título de Grand Slam do tênis brasileiro e quarto em chaves juvenis.

Raio-X dos juvenis brasileiros em Grand Slam
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 10, 2016 às 12:44 pm

A participação brasileira nas chaves juvenis de Grand Slam na temporada termina neste sábado, quando Felipe Meligeni Alves disputa a final de duplas masculinas no US Open. O paulista de 18 anos joga ao lado do boliviano Juan Carlos Aguilar enfrenta os canadenses Felix Auger-Aliassime e Benjamin Sigouin na quadra 17 do complexo Billie Jean King em Flushing Meadows.

Em 2016, os principais resultados foram obtidos nas duplas, já que além do resultado de Meligeni, o gaúcho Orlando Luz foi vice-campeão em Roland Garros. Em simples foram apenas duas vitórias em chaves principais, exatamente com Orlando e Felipe.

Em número de jogadores, houve queda na representação. Somente quatro meninos participaram de chaves principais na temporada: Gabriel Décamps, Orlando Luz, Felipe Meligeni Alves e Rafael Wagner. Outros dois jogaram qualis: Lucas Koelle e Thiago Wild.

Infelizmente nenhuma menina conseguiu entrar em chave de Grand Slam na temporada. Quem esteve mais perto foi a paulista Marcelle Cirino, que venceu a etapa brasileira do Rendez-Vous à Roland Garros e disputou uma seletiva mundial em Paris.

2016-09-09 (10)

A menos que alguém suba muito no ranking, o quadro mais provável é que de novo apenas três meninos disputem os Grand Slam juvenis no ano que vem. Décamps ainda tem mais um ano na categoria, enquanto o pernambucano João Lucas Reis e o paranaense Thiago Wild estão com 16 anos e entre os 200 no ranking da ITF. O paulista Mateus Alves, de apenas 15 anos, tem potencial para ganhar terreno, mas apostaria nele mais para 2018.

No feminino, a situação está ainda mais difícil depois que as ex-top 15 Bia Haddad Maia e Luisa Stefani deixaram as competições juvenis. Nenhuma menina brasileira disputou um Grand Slam juvenil, cenário bem diferente dos quatro anos anteriores que tiveram no mínimo uma brasileira em cada torneio.

Nossas cinco primeiras jogadoras no ranking da categoria vão para o último ano de juvenil em 2017 e apenas a paulista Thaísa Pedretti está próxima do top 100 e podendo projetar um quali de Slam, a menos que alguém ganhe muitas posições. A possibilidade de mudar o quadro seria acumular bons resultados na Gira Cosat entre janeiro e fevereiro do ano que vem, além de aproveitar bastante os valiosos pontos em disputa do Campeonato Sul-Americano Individual, marcado para 20 de fevereiro do ano que vem.

ÚLTIMOS ANOS

2016-09-09 (5)

Australian Open – Nenhum jogador brasileiro participou da competição, que já teve o alagoano Tiago Fernandes campeão de simples há seis anos. De fato é uma viagem cara e o calendário é difícil de encaixar com uma série maior de torneios, o que afugenta alguns jogadores mesmo que eles tenham ranking para entrar diretamente. Fato é que o Brasil chegou a colocar quatro jogadores no Australian Open há dois anos e em 2016 não houve representação.

Os principais resultados nos últimos cinco anos foi a campanha do paulista Marcelo Zormann até às oitavas de final de simples em 2014, além das presenças de Thiago Monteiro e Orlando Luz nas quartas de duplas.

2016-09-09 (4)

ROLAND GARROS – Tradicionalmente o Grand Slam de maior sucesso brasileiro, Roland Garros teve seis representantes. Desde o ano passado, o Rendez-Vous à Roland Garros levou jogadores nacionais à seletiva de Paris. Foi assim que Rafael Wagner conseguiu uma vaga na chave principal, mas a paulista Marcelle Cirino não conseguiu avançar.

Nos últimos anos, tivemos três vice-campeonatos de duplas, dois deles com a canhota Beatriz Haddad Maia. Bia, que já está com 19 anos, ainda fez oitavas em Paris em duas ocasiões e perdeu apenas para as campeãs Annika Beck em 2012 e Belinda Bencic no ano seguinte.

A temporada de 2014 foi a mais promissora para os juvenis brasileiros nos últimos anos e teve três bons resultados em Paris, as semis de simples e duplas para Orlando Luz, as quartas de Marcelo Zormann e a semi de duplas de Luisa Stefani, que foi 10 do mundo em sua categoria.

Encerrando seu ciclo juvenil com apenas três torneios no ano, Orlando Luz encaixou o Grand Slam francês no meio de uma gira de torneios profissionais no saibro europeu. Semanas depois de ser vice-campeão de duplas em Paris, ele venceu seu primeiro título future na República Tcheca. A escolha pelo US Open agora em setembro não foi tão produtiva no calendário, já que ele vinha de uma boa semana no saibro polonês e mudou repentinamente de piso. Pode ter valer apenas pelo intercâmbio e menos para a confiança e possibilidade de pontuar na ATP.


2016-09-09 (6)

Wimbledon – Na grama londrina, o Brasil conseguiu seu último título de Grand Slam juvenil há dois anos com Orlando Luz e Marcelo Zormann. No mesmo ano, o canhoto gaúcho Rafael Matos e o mineiro João Menezes foram às quartas de duplas.

Em simples, novamente destaque para Bia Haddad Maia, que há três anos esteve nas oitavas. Sua algoz na ocasião foi a cabeça 2 croata Ana Konjuh, a mesma que nesta semana chegou às quartas de final na chave principal do US Open.

O ano passado foi atípico, porque os principais juvenis brasileiros foram convocados para os Jogos Pan-Americanos de Toronto, mas o tênis saiu sem medalhas do Canadá. Já neste ano, apenas Felipe Meligeni Alves e Gabriel Décamps conseguiram entrar diretamente na chave.

2016-09-09 (9)

US Open – Os três brasileiros que estavam na chave de simples este ano caíram ainda na rodada de estreia. Orlando Luz e Gabriel Décamps enfrentaram os cabeças 3 e 4 Ulises Blanch e  Geoffrey Blancaneaux (campeão de Roland Garros). Felipe Meligeni Alves perdeu um jogo equilibrado de três sets para o australiano Blake Ellis, em duelo entre dois top 50 separados por apenas oito posições. Ainda assim, o setor na chave era duro e teria o líder do ranking Stefanos Tsitsipas na segunda rodada.

Nas duplas, o Brasil conseguiu recentemente as duas primeiras finais juvenis de US Open na história. Primeiro, o mineiro João Menezes e o gaúcho Rafael Matos foram vice-campeões em 2014 e caíram diante do australiano Omar Jasika e do japonês Naoki Nakagawa. Já em 2016, Felipe Meligeni Alves tenta o inédito título junto do boliviano Aguilar.

TÍTULOS E FINAIS

O tênis brasileiro tem três títulos juvenis de Grand Slam. O primeiro foi conquistado por Gustavo Kuerten nas duplas em Roland Garros em 1994, ao lado do equatoriano Nicolas Lapentti. Em 2010, o alagoano Tiago Fernandes foi campeão de simples no Australian Open. Infelizmente, ele deixou o tênis em 2014 com apenas 21 anos e se dedica aos estudos de engenharia civil. Já há dois anos, Orlando Luz e Marcelo Zormann foram campeões de Wimbledon nas duplas.

Outros brasileiros já estiveram em finais de Grand Slam juvenil. No saibro de Roland Garros, Edison Mandarino em 1959, Thomaz Koch em 1962 e 1963, além de Luis Felipe Tavares em 1967 decidiram o torneio individual. Já na grama inglesa de Wimbledon, Ivo Ribeiro foi vice em 1957 e Ronald Barnes fez o mesmo dois anos depois.

Nas duplas, Guilherme Clezar foi vice de Roland Garros em 2009, tal como Bia Haddad nas temporadas de 2012 e 2013 e Orlando Luz este ano. Antes disso, em 1994 foi a vez de Ricardo Schlachter ser finalista de duplas no juvenil de Wimbledon.