Monthly Archives: julho 2017

Alemão de 16 anos fura o quali em Hamburgo
Por Mario Sérgio Cruz
julho 24, 2017 às 10:50 pm

Pela primeira vez, um jogador nascido nos anos 2000 vai disputar uma chave principal de ATP. O responsável pela façanha é o alemão Rudolf Molleker, apenas 923º do ranking, que conseguiu duas vitórias no qualificatório para o ATP 500 de Hamburgo e garatiu vaga no torneio alemão.

Durante o fim de semana, Molleker derrotou o norueguês Casper Ruud, 111º colocado, por 2/6, 6/4 e 6/4 e depois passou pelo argentino Leonardo Mayer, 138º, por 7/6 (7-2), 3/6 e 6/3. Sua estreia na chave principal está marcada para esta terça-feira, por volta das 7h30 (de Brasília) contra o russo de 21 anos Karen Khachanov, 32º do mundo.

Antes das duas incríveis vitórias no quali de Hamburgo, Molleker sequer havia disputado uma chave principal de challenger na carreira e nem mesmo chegou a uma final de future, nível de competição em que venceu apenas onze jogos, sendo apenas cinco este ano.

 

 

Pouco mais de um ano depois de ter sido campeão juvenil de Wimbledon e de vencer seu primeiro jogo de ATP, Denis Shapovalov já está muito perto do top 100. O jovem canadense de 18 anos conquistou seu segundo título de challenger no ano na cidade de Gatineau e já aparece com o mlehor ranking da carreira ao ocupar 130º lugar, saltando 31 posições em relação à lista da semana passada.

Antes de conquistar o título em final caseira contra Peter Polansky, Shapovalov passou pelo anfitrião Philip Bester, pelo jovem australiano Max Purcell, além do italiano Thomas Fabbiano e o norte-americano Alexander Sarkissian. A única vitória sobre top 100 na semana aconteceu diante de Fabbiano, então 86º colocado.

 

Dos 424 pontos que Shapovalov tem no ranking, 328 foram obtidos na atual temporada, o que faz dele o 117º jogador que mais pontuou em 2017. Sua distância para o atual centésimo colocado, o esloveno Blaz Kavcic é de apenas 112 pontos. Já a diferença para o centésimo da temporada é de apenas 41 pontos até o tunisiano Malek Jaziri.

Com apenas 96 pontos a defender até o final do ano, sendo que 45 caem já na próxima segunda-feira, o canadense só tem a somar em pelo menos seis torneios. Isso porque dos dezoito resultados válidos para o ranking, o canadense só está computando os pontos obtidos em doze eventos.

Um ano atrás, Shapovalov aparecia no 370º lugar do ranking e saltou quase oitenta posições graças à vitória sobre Nick Kyrgios no Masters 1000 de Toronto, torneio que disputou como convidado. Mesmo com a diferença de calendário em relação à temporada anterior, ele pode até não sofrer perda de posições, já que disputa o challenger de US$ 100 mil em Granby que dá 90 pontos ao campeão.

 

Nova geração espanhola fatura dois títulos
Por Mario Sérgio Cruz
julho 16, 2017 às 9:09 pm

O fim de semana que começou com a incrível conquista da ainda jovem Garbiñe Muguruza em Wimbledon ainda rendeu mais duas boas notícias para a nova geração do tênis espanhol. Enquanto o jovem de 17 anos Nicola Khun venceu seu primeiro challenger, o também promissor Alejandro Davidovich Fokina foi campeão da chave juvenil do Grand Slam britânico.

Alejandro Davidovich Fokina é o primeiro espanhol em 50 anos a vencer o juvenil de Wimbledon

Alejandro Davidovich Fokina é o primeiro espanhol em 50 anos a vencer o juvenil de Wimbledon

Davidovich, que completou 18 anos em junho, venceu a final juvenil de Wimbledon contra o embalado argentino Axel Geller por 7/6 (7-2) e 6/3. Filho de russos, ele nasceu em Málaga e treina em Marbella e se tornou apenas o segundo espanhol a ser campeão juvenil no All England Club, repetindo o feito de Manuel Orantes obtido há cinquenta anos. Em entrevista ao jornal El País, ele reiterou o desejo de seguir defendendo seu país natal. “Sinto que sou mais espanhol… Sou muito espanhol e meu sonho é jogar a Copa Davis pela Espanha”.

O também finalista Geller vinha da conquista do ITF G1 na grama de Roehampton na semana anteriror e tentava dar o segundo título juvenuil de Wimbledon para a Argentina, sendo o primeiro no masculino, já que Maria Emilia Salerni foi campeã em 2000. O único sul-americano campeão juvenil masculino de simples em Wimbledon foi o venezuelano Nicolas Pereira em 1988.

O jovem argentino de 18 anos, que tentará o circuito universitário norte-americano em Stanford a partir do ano que vem, não saiu do All England Club de mãos abanando. Ao lado do taiwanês Yu Hsiou Hsu, ele venceu o torneio de duplas ao marcar duplo 6/4 contra o austríaco Jurij Rodionov e o tcheco Michael Vrbensky.

Campeão em Braunschweig, Nicola Kuhn disputava apenas o segundo challenger da carreira

Campeão em Braunschweig, Nicola Kuhn disputava apenas o segundo challenger da carreira

Já no saibro alemão de Braunschweig, Nicola Kuhn conquistou o título apenas no segundo challenger que disputou na carreira. O jovem de 17 anos só tinha uma vitória em torneios deste porte e um título de future. Atual 501º do ranking, ele já estava com a melhor marca da carreira e os 130 pontos somados (cinco do quali e 125 da chave principal) o farão se aproximar dos 250 melhores do mundo.

Kuhn nasceu na cidade austríaca de Innsbruck em março de 2000, filho de pai alemão e mãe russa. Ele optou por defender a Espanha aos 15 anos, já que treina na Equelite Sport Academy de Juan Carlos Ferrero. Depois de furar o quali no torneio, ele derrotou o português Gonçalo Oliveira, o argentino Carlos Berlocq (cabeça 4), o eslovaco Jozef Kovalik e o húngaro Márton Fucsovics antes de vencer a final contra o croata Viktor Galovic por 2/6, 7/5, 4/2 e desistência.

O jovem espanhol é o terceiro jogador com 17 anos ou menos a vencer um challenger na temporada, juntando-se aos canadenses Denis Shapovalov e Felix Aguer Aliassime. Ele também é o 14º jogador mais jovem a vencer um torneio deste porte, sendo o segundo nascido no ano 2000. O tradicional challenger de Braunschweig é também o primeiro evento a ter dois vencedores com menos de 17 anos, já que o alemão Alexander Zverev também triunfou em 2014.

Mais um jovem vencedor de challenger

O japonês de 20 anos Akira Santillan também venceu o primeiro challenger da carreira.

O jogador de 20 anos Akira Santillan também venceu o primeiro challenger da carreira.

O jovem de 20 anos Akira Santillan, 197º do mundo, foi outro a conquistar seu primeiro challenger nesta semana. Ele venceu o torneio de Winnetka, nos Estados Unidos, ao marcar 7/6 (7-1) e 6/2 contra o indiano Ramkumar Ramanathan na final. Ele passou também pelos americanos Denis Kudla, Kevin King e Dennis Nevolo nas fases iniciais e pelo alemão Mathias Bachinger na semi. Com os 80 pontos, ele deverá chegar ao 171º lugar, melhor marca da carreira.

Santillan é mais um caso de jogador com dupla nacionalidade. Nascido em Tóquio e filho de mãe japonesa, ele defendia a Austrália quando juvenil antes de optar pela cidadania japonesa há dois anos, mas desfez a troca recentemente e ganhou seu primeiro challenger como australiano. “Eu joguei pelo Japão no último ano e meio, mas sinto que sou mais australiano. Fui criado lá e falo inglês melhor. O japonês é minha língua materna, mas a maioria dos meus amigos são australianos e sinto-me mais confortável em ser australiano”, disse em entrevista ao site da ATP.

Façanhas das jovens americanas 

Final entre as americanas Ahn Li e Clarie Liu encerrou um período de 25 anos sem títulos dos Estados Unidos no juvenil de Wimbledon

Final entre as americanas Ahn Li e Clarie Liu encerrou um período de 25 anos sem títulos dos Estados Unidos no juvenil de Wimbledon

A nova geração do tênis americano segue colhendo frutos no circuito feminino e vem acumulando façanhas entre suas juvenis. Depois do primeiro título de Roland Garros em 28 anos na final americana vencida por Whitney Osuigwe sobre Claire Liu há um mês, mais uma vez duas jogadoras dos Estados Unidos decidiram um Grand Slam.

Liu venceu a final de Wimbledon contra Ann Li para encerrar um período de 25 anos sem títulos de americanas no juvenil de Wimbledon. Com o resultado, a jogadora que completou 17 anos em março assume a liderança do ranking mundial juvenil. Ela ultrapassa Osuigwe, de apenas 15 anos e que havia assumido o primeiro lugar na semana passada.

Vale lembrar que cinco das oito atletas que chegaram às quartas eram americanas: Além de Liu e Li, estavam a já citada Osuigwe, a atual campeã juvenil do US Open Kayla Day e também Sofia Sewing.

Promessas da ATP têm altos e baixos em Wimbledon
Por Mario Sérgio Cruz
julho 8, 2017 às 12:22 am

As jovens promessas do tênis masculino que estiveram presentes em Wimbledon tiveram altos e baixos na primeira semana do Grand Slam britânico. E se há um nome que simboliza bem essa falta de consistência é o do russo Daniil Medvedev, jogador de 21 anos e 49º do ranking.

Depois de ter feito três boas semanas na temporada de grama, chegando quartas em ‘s-Hertogenbosch e Queen’s e sendo semifinalista em Eastbourne, onde só perdeu para Novak Djokovic, Medvedev confirmou a boa fase ao derrotar Stan Wawrinka na primeira rodada de Wimbledon. Na entrevista, ele falou sobre como seu jogo se adapta à grama e como ele costuma crescer nos momentos importantes de seus jogos.

Medvedev eliminou Wawrinka, mas teve má conduta após derrota na rodada seguinte e foi multado

Medvedev eliminou Wawrinka, mas teve má conduta após derrota na rodada seguinte e foi multado

“Acho que meu jogo funciona muito bem na grama e é meu piso favorito. Tenho um bom saque, que não é muito forte, mas é bastante preciso, o que é mais importante para a grama, porque ele fica mais rápido que na quadra dura ou no saibro”, disse Medvedev. “Tenho um jogo muito reto e que ninguém gosta de enfrentar, porque jogar muitas bolas para cima depois dos meus golpes. E sou bom nos momentos importantes dos jogos”.

Mas o que se viu na rodada seguinte, contra canhoto belga Ruben Bemelmans, foi um espetáculo deprimente. Irritado com uma marcação da árbitra portuguesa Mariana Alves, Medvedev saiu completamente de um jogo em seu melhor momento, quando tinha quebra acima no quinto set, forçado após vencer a terceira e quarta parciais da partida. Depois do incidente, o russo venceu só mais um game e, diante da possibilidade de ser punido ou multado, o russo “se adiantou” à aplicação da pena e deixou algumas moedas em quadra. No dia seguinte, veio a conta: A multa pela má conduta foi de US$ 14 mil.

Khachanov não fez uma boa partida contra Monteiro, mas deixou boas impressões no duelo com Nadal

Khachanov não fez uma boa partida contra Monteiro, mas deixou boas impressões no duelo com Nadal

Outro russo que passou por altos e baixos foi Karen Khachanov, que vive seu melhor momento aos 21 anos, ocupando o 34º lugar do ranking e vindo de uma semifinal na grama de Halle. Ele cometeu muitos erros não-forçados no duelo com Thiago Monteiro pela segunda rodada e correu risco em todos os sets da partida.

Contra Rafael Nadal nesta sexta-feira, o jovem russo pôde jogar mais solto, e depois de ter poucas chances nos sets iniciais, deixou uma boa impressão na terceira parcial, quando pressionou mais o saque do espanhol e teve até set point. O futuro de Khachanov, que treina em Barcelona e já tem título de ATP, parece bem encaminhado.

Ninguém nas oitavas, por enquanto – Nenhum jogador da chamada #NextGen, jovens de até 21 anos e que estejam entre os 200 melhores, se garantiu nas oitavas da chave masculina, mas Alexander Zverev e Jared Donalson podem chegar lá.

Alexander Zverev ainda não perdeu sets no torneio

Alexander Zverev ainda não perdeu sets em duas rodadas no torneio e é favorito contra Ofner

Cabeça 10 em Wimbledon, Zverev ainda não perdeu sets no torneio, depois de passar pelo russo Evgeny Donskoy e o também promissor norte-americano Frances Tiafoe. O alemão é bem favorito contra o austríaco de 21 anos Sebastian Ofner, que entrará para a hashtag favorita da ATP depois de Wimbledon, já que será top 200 após suas duas primeiras vitórias no Slam britânico.

Já o 67º colocado Donaldson, que tem 20 anos e deverá ter o melhor ranking da carreira depois do torneio, tem a dura missão de enfrentar o cabeça 8 Dominic Thiem. O norte-americano já fez quatro jogos contra top 10 e busca ainda a primeira vitória.

Entre outros nomes da nova geração: O russo Andrey Rublev foi à segunda rodada, enquanto Borna Coric, Thanasi Kokkinakis, Stefanos Tsitsipas e o convidado canadense Denis Shapovalov caíram ainda na estreia.

Juvenil larga neste sábado – As chaves principais do torneio juvenil de Wimbledon dão a largada neste sábado. O Brasil está representado pelo paranaense Thiago Wild, o pernambuacano vindo do quali João Lucas Reis e a paulista Thaísa Pedretti. Única a entrar em quadra já no primeiro dia, Pedretti enfrentará a convidada britânica Anna Loughlan.

O principal cabeça de chave do masculino é o francês Corentin Moutet. O canhoto de 18 anos já 341º da ATP e as únicas competições juvenis que disputou na temporada foram os dois primeiros Grand Slam e o ITF G1 de Roehampton, onde perdeu ainda na estreia do único evento que disputou na grama. Seu primeiro compromisso será contra o argentino Sebastian Baez.

 

Por falar na Argentina, Axel Geller surpreendeu na última semana em Roehampton ficando com o título do principal evento preparatório para o Grand Slam britânico ao vencer o norte-americano Sam Riffice na final. Já o húngaro Zsombor Piros, cabeça 3 em Wimbledon, foi o favorito com melhor desempenho, chegando às quartas.

No feminino, a chave é encabeçada por duas americanas que já venceram Grand Slam juvenil. A campeã do US Open Kayla Day é principal favorita e estreia contra a suíça Lulu Sun. Já a vencedora de Roland Garros Whitney Osuigwe é a segunda cabeça de chave e pega a britânica Gemma Heath. Quem ganhou Roehampton foi a americana Claire Liu, finalista em Roland Garros e cabeça 3 em Wimbledon.

Competições no Paraná – O sábado também será de finais da 31ª edição da Londrina Junior Cup, torneio ITF G4 disputado nas quadras de saibro do Londrina Country Club. A partir das 10h30 acontecem as decisões de simples. No masculino, o paulista Matheus Ferreira Leite encara o português Daniel Rodrigues. Já a final feminina terá um duelo nacional entre a paulista Ana Paula Melilo e a mineira Marina Figueiredo.

Na semana que vem, acontece mais um torneio no saibro paranaense. As quadras do Clube Curitibano recebem o ITF Juniors de Curitiba, torneio nível G5. O quali masculino já começa neste sábado.