Juvenis divergem sobre mudanças no ranking
Por Mario Sérgio Cruz
março 31, 2017 às 10:42 pm

Em meio às mudanças previstas nos circuitos profissionais e juvenil da ITF a partir de 2019, a entidade que comanda o tênis mundial divulgou o resultado das pesquisas que fez com atletas e profissionais ligados ao tênis, com base em dados coletados entre 2001 e setembro de 2016 e foram publicadas na última quinta-feira.

A ideia é aplicar esses dados para a reformulação dos calendários, já que a partir de dois anos haverá uma chamada “Transition Tour” que irá substituir os torneios profissionais de menor nível (os de US$ 15 mil) sem o oferecimento de premiação em dinheiro. Falamos mais sobre ela aqui no TenisBrasil e a proposta completa está na ITF.

No caso das pesquisas relacionadas ao circuito juvneil, há uma clara divisão entre os jogadores se declara a favor ou contra mudanças no sistema do ranking. Atualmente, são considerados válidos os seis melhores resultados de simples durante o ano, mais 1/4 da soma dos seis melhores resultados em duplas.

Participaram da pesquisa 3711 atletas e ex-atletas do circuito juvenil, mas só 2493 preencheram o questionário completo. Entre eles estão 885 jovens de 18 a 30 anos que participaram anteriormente de competições juvenis, tendo eles se tornado tenistas profissionais ou não. Os atletas mais ouvidos vêm da Índia, Estados Unidos, Grã Bretanha e Austrália. O questionário completo está disponível neste link.

Ao todo, 52% dos entrevistados acreditam que o modelo atual do ranking reflita realmente quais jogadores apresentam maior desempenho, mas 48% defendem mudanças na fórmula.

2017-03-31 (7)

A ITF perguntou, então, sobre propostas para atualização do cáculo: A separação dos rankings entre simples e duplas teve 35% dos votos e foi seguida de perto opção de incluir mais torneios válidos para a classificação, que teve 32,5% dos votos. Outra parcela considerável dos entrevistados, 19% defende que a pontuação de duplas tenha peso maior do que é feito atualmente, enquanto grupos menores defendem que sejam considerados menos resultados durante o ano e que torneios de duplas não devem oferecer pontos.

2017-03-31 (8)

A importância de discutir o meio de pontuar no ranking aparece no resultado de alguns tópicos: Mais da metade dos jogadores entrevistados afirmaram não figurar no ranking da ITF durante a pesquisa. O resultado é praticamente o mesmo quando perguntados qual o melhor ranking já alcançado, pois quase 50% das respostas são de que o atleta jamais pontuou para o ranking. Além disso, em torno de 25% dos entrevistados com ranking sequer atingiu a milésima posição como juvenil.

2017-03-31 (3) 2017-03-31 (4)

 

Chama atenção também o fato de que mais da metade dos entrevistados só ter disputado competições em seu próprio país e praticamente dois terços não tenha saído de seu continente ao longo da temporada.

2017-03-31 (5)

Outros pontos – Perguntados sobre o que os benefícios que os jogadores de destaque no juvenil podem ter no futuro, a maioria votou pela ajuda financeira nas viagens para competições profissionais, opção que ficou acima das opções de usar o ranking juvenil para entrar em torneios maiores ou receber convites em chaves.

2017-03-31 (9)

Já sobre o que achavam mais importante em torneio, a opção por melhores árbitros ficou em primeiro lugar, à frente por exemplo de o torneio oferecer gratuitamente transporte e alimentação aos atletas. Outras questões estruturais como espaço exclusivo dos jogadores e acesso a internet Wi-Fi foram considerados menos importantes.

2017-03-31 (2)


Comentários
  1. Renan Nabeshima

    Ótimo resumo do levantamento, Mário! Acredito que separar os rankings de simples e duplas não se provaria benéfico, já que uma diminuição no número de tenistas que disputam as duas chaves seria bem provável.
    Ninguém começa a jogar tênis pensando em ser duplista, mas, na minha opinião, a modalidade é necessária na categoria de base para desenvolver alguns fundamentos do jogador e até mesmo a convivência em quadra, visto que a idade não é apenas de formação esportiva, como também comportamental.
    Abraços! Gosto muito do tema do seu blog!

    Reply
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>