Djoko e Murray dividiram a temporada 2016
Por Chiquinho Leite Moreira
novembro 21, 2016 às 12:35 pm

Vou plagiar um post de Roger Federer. O suíço disse: “épico começo de ano de @DjokerNole e épico final de ano de @andy_murray # 1″. E não há dúvidas de que os dois dividiram a temporada de 2016, ambos merecendo os parabéns. E o que fica disso é a enorme exigência de um calendário exaustivo. Não há máquina humana capaz de manter a intensidade e o nível durante as 52 semanas. O tênis hoje está diferente, mais forte, com estilos bem mais regulares, sem tantos pontos curtos como nos tempos do saque e voleio. As trocas de bolas são longas. Os torneios estão cada vez mais equilibrados. Não há físico e mente que resistam a tanto.

Bom para o público, bom para os amantes do tênis, com eventos e jogos emocionantes. Só que não vejo mais condições de longos domínios de um só jogador, como em outros tempos. Nem sequer termos mais o grupo do ‘big four’, não é mesmo?

Um leitor – Fabricio – colocou uma questão para 2017. Será que Murray e Djokovic seguirão dominando? Roger Federer e Rafael Nadal poderão beliscar um ou outro Slam? E a nova geração vai incomodar? Na verdade, acredito em tudo isso.

Já em 2016 tivemos diferentes campeões de Slams. Foram três jogadores para quatro troféus. Para a próxima temporada não seria surpresa, pelo menos para mim, que quatro jogadores levassem a melhor em cada um dos torneios.

Desde os tempos em que trabalhava com futebol (acreditem fiz a cobertura de duas Copas do Mundo e inúmeras eliminatórias) o preparador físico Muricy Santana já nos ensinava que o condicionamento de um atleta é quase como uma parabólica. É preciso calcular o seu auge para determinada data, competição. Acredito que foi isso com Novak Djokovic. Ele queria levantar o seu primeiro troféu de Roland Garros. E começou o ano com toda intensidade. Ganhou o Aberto da Austrália. Esteve forte e vencedor em Indian Wells e Miami. Controlou a temporada europeia de quadras de saibro: primeira rodada em Monte Carlo, título em Madri e final em Roma. E chegou a Paris em plena forma para, enfim, levar para casa uma réplica da Copa dos Mosqueteiros.

Esta mesma evidência pode verificar-se com Andy Murray. Embora não tenha feito um início de temporada ruim, pois foi finalista em Melbourne, ele caiu nas segundas rodadas de IW e Miami. No saibro fez final de Madri e ganhou no Foro Itálico, sem contar com o vice em Paris. Ganhou Wimbledon. Foi ouro no Rio e parou nas quartas em Nova York, mas preparou o bote para o final do ano. Conquistou os títulos de Pequim, Xangai, Viena e Paris. Mesmo desgastado ainda teve forças para se superar a garantir a liderança do ranking mundial com o  ATP Finals.

Por tudo isso cresce bastante a expectativa para 2017. Os novos talentos estão chegando e nomes como Roger Federer e Rafael Nadal prometem voltar fortes. Quem ganha com isso é o tênis.

 


Comentários
  1. eliana

    apesar de ser Nadalete até debaixo dágua, quero parabenizar o Murray que sem dúvida é o melhor do momento. Mas partida de final como essa nao teve graça. Deveria ter sido final entre Murray x Raonic … aquilo sim foi jogo !!!

    Reply
  2. Luiz Fabriciano

    Chiquinho, apesar de ter tido três campeões em quatro GS esse ano, não tivemos nenhum novato ao menos chegando perto desse feito.
    Acredito que a parada para o próximo estará para os # 1 e 2 novamente.

    Reply
  3. Anderson

    Ah Chiquinho, não faz sentido o big four pq Federer e Nadal estão caindo de rendimento, se estivem os 4 no auge poucos títulos sobrariam para os outros, com a exceção de Wawrinka e talvez Delpo, faz tempo que ninguém mais convence. O domínio desses 4 foi e continua sendo absurdo, com só esses dois nomes se metendo no meio (bem que o Cilic poderia ser citado tbm, mas de certa forma é da “antiga” geração).

    Reply
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>